Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 28º

Hungria declara estado de emergência devido à guerra na Ucrânia

A Hungria entra à meia-noite de hoje em estado de emergência devido à guerra na vizinha Ucrânia, anunciou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

Hungria declara estado de emergência devido à guerra na Ucrânia
Notícias ao Minuto

18:17 - 24/05/22 por Lusa

Mundo Hungria

"O governo declara o estado de emergência por causa da guerra na Ucrânia", disse Orbán, num vídeo divulgado na rede social Facebook, poucas horas depois de o parlamento ter aprovado uma emenda constitucional que abriu a possibilidade de anunciar tal medida.

Orbán, líder de extrema-direita, avisou que o mundo está prestes a entrar numa crise económica e reiterou que o país "deve permanecer fora da guerra, proteger a segurança das famílias".

"Para isso precisamos de espaço de manobra", salientou.

O primeiro-ministro disse que a crise está a ser desencadeada pela invasão russa da Ucrânia e pelas sanções de Bruxelas contra Moscovo.

O estado de emergência significa que o Governo pode emitir decretos relacionados com o assunto, sem consultar o parlamento.

A alteração adotada hoje foi proposta pelo executivo húngaro após a invasão russa da Ucrânia para fornecer ao país "os instrumentos necessários para ajudar, apoiar e acomodar os refugiados, bem como para contrariar e aliviar os efeitos económicos negativos".

A Hungria não envia armas para a Ucrânia, argumentando que não se quer envolver na guerra no país vizinho.

O estado de emergência está em vigor na Hungria há dois anos devido à pandemia de covid-19, embora deva ser levantado pelo parlamento a 31 de dezembro.

O país da Europa Central encontra-se também em estado de emergência devido à migração em massa desde o outono de 2015, que foi introduzida durante a crise dos refugiados e que se manteve apesar de o número de migrantes que entraram na Hungria ter diminuído drasticamente no final desse ano.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,3 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Hungria não está em posição de concordar com novas sanções, diz Órban

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório