Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 28º

Famoso veleiro de corrida atacado por atiradores ao largo do Iémen

Um famoso veleiro de corrida com bandeira de Hong Kong foi atacado na quinta-feira ao largo da costa do Iémen, com a tripulação a ser alegadamente ameaçada por militantes islâmicos, segundo a força naval da UE na região.

Famoso veleiro de corrida atacado por atiradores ao largo do Iémen
Notícias ao Minuto

08:31 - 20/05/22 por Lusa

Mundo Iémen

O ataque ao Lakota, um trimarã de 19 metros recentemente comprado pelo famoso velejador francês Philippe Poupon, começou na quinta-feira de manhã, quando três navios que transportavam militantes com roupas civis perseguiram a embarcação, adiantou a força naval da União Europeia.

Os militantes dispararam cerca de 20 tiros de aviso contra a tripulação do veleiro e exibiram espingardas de assalto e lança-granadas foguetes, adiantou.

Um militante chegou a embarcar no Lakota, mas saltou para o mar depois de aperceber que não havia dinheiro no navio e que estava longe dos navios que transportavam os seus companheiros, disse o capitão Miguel Lorente Navarro, porta-voz da força da UE.

A Dryad Global, uma empresa de inteligência marítima, disse à Associated Press que o navio envolvido era o Lakota. Também a Lloyd's List Intelligence e a força da UE identificaram o navio como o trimarã, ou um navio de corrida de três cascos, que levou os seus capitães a vencer várias competições em todo o mundo.

A Dryad disse que os tripulantes escaparam para águas internacionais. Dados de localização por satélite do MarineTraffic.com, analisados pela AP, mostraram o Lakota a oeste das Ilhas Hanish, no Mar Vermelho, entre a Eritreia no continente africano e o Iémen na Península Arábica.

O navio tinha atracado no Djibuti, segundo os dados de localização. A AP adianta que o veleiro não tinha ligado o localizador automático de identificação.

Para a Dryad Global, o localizador estar desligado é "muito estranho", já que o Mar Vermelho é uma grande rota marítima internacional.

A empresa de segurança disse que o navio foi abordado por três barcos menores e por militantes armados com granadas lançadas por foguetes.

"Várias tentativas foram feitas para abordá-lo", mas "os relatórios indicam que conseguiu fugir", avançou.

Hodeida é uma cidade portuária há muito disputada entre uma coligação liderada pela Arábia Saudita que apoia o governo exilado do Iémen e os rebeldes Houthi, apoiados pelo Irão, que detêm a capital do Iémen, Sanaa.

Os Houthis, o governo exilado do Iémen, e a coligação liderada pela Arábia Saudita não reconheceram imediatamente o ataque.

A 5ª Frota da Marinha dos EUA disse que estava ciente do ataque, mas recusou-se a fazer mais comentários.

A força naval da União Europeia na região chegou na quinta-feira ao Lakota, com um helicóptero que saiu da fragata italiana Carlo Bergamini, e afirmou que a tripulação estava a salvo.

Dados anteriores de localização de navios de fevereiro mostram que o Lakota deixou as Filipinas antes de aparecer no Djibuti este domingo. Ainda não é claro quem estava a bordo do navio, que pode levar cinco tripulantes.

O incidente marcou o último ataque no mar no meio da guerra do Iémen. Em janeiro, os Houthis tomaram o navio Emirati Rwabee.

Leia Também: EUA. Senadores apresentam projeto para "proteger" democracia nas Américas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório