Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 24º

Sem novo acordo as tropas do Uganda retiram-se em 31 de maio da RDCongo

As forças ugandesas presentes na República Democrática do Congo (RDCongo), para operações conjuntas contra o grupo rebelde ADF retiram-se até 31 de maio, salvo novo acordo entre os dois países, anunciaram hoje fontes militares ugandesas.

Sem novo acordo as tropas do Uganda retiram-se em 31 de maio da RDCongo
Notícias ao Minuto

20:55 - 17/05/22 por Lusa

Mundo ADF

O Uganda enviou militares para o leste da RDCongo em 1 de dezembro como parte de uma operação militar com o exército da RDCongo contra os rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (ADF, na sigla em inglês), acusados por Kinshasa e massacres de civis e por Kampala de ataques reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Até agora não foi revelado nenhum detalhe sobre o número de tropas envolvidas e a duração da missão.

"A operação Shujaa terminará oficialmente em cerca de duas semanas, de acordo com o nosso acordo inicial, que tinha a duração de seis meses", escreveu o chefe do Exército do Uganda, general Muhoozi Kainerugaba, na rede social Twitter, referindo o código da operação, que significa "aquele que é forte" em suaíli.

"A menos que eu receba mais instruções do nosso comandante-em-chefe (Presidente Yoweri Museveni) ou do chefe das Forças de Defesa, retirarei todas as nossas tropas da RDCongo em duas semanas", acrescentou o general, que é filho do chefe de Estado ugandês.

Noutra mensagem no Twitter, o general Muhoozi Kainerugaba esclareceu: "Para ser claro, a operação Shujaa continuará por mais seis meses se os dois Presidentes Museveni e [Félix] Tshisekedi decidirem prorrogá-la. Eles são as autoridades com a última palavra".

O ministro da Defesa do Uganda, Vincent Ssempijja, confirmou à agência France-Presse que "o acordo bilateral com a RDCongo sobre a operação Shujaa termina em 31 de maio".

"Os nossos respetivos órgãos estão a consultar e a avaliar a situação e qualquer futura cooperação militar com a RDCongo após 31 de maio dependerá do que os dois países (...) alcançaram na operação conjunta", acrescentou.

As ADF, originalmente uma coligação de grupos armados no Uganda, o maior dos quais era formado por muçulmanos que se opunham ao regime de Yoweri Museveni, desde 1995 que mantêm atividade militar no leste da RDCongo.

A organização, considerada a mais mortífera dos muitos grupos armados que atuam na região, é considerada responsável pelo massacre de milhares de civis, sequestros e saques.

Desde abril de 2019, alguns dos seus ataques foram reivindicados pelo EI, que designa o grupo como sua "Província da África Central" (Iscap).

Em março passado, os Estados Unidos listaram as ADF entre os "grupos terroristas" com ligações aos extremistas islâmicos do EI.

A atual operação conjunta despertou a desconfiança de cidadãos da RDCongo que receiam ver o exército do vizinho Uganda estabelecer-se a longo prazo que, à semelhança do Ruanda, é acusado de ter contribuído amplamente para a desestabilização do leste do país durante décadas.

Leia Também: Ataque rebelde faz pelo menos 20 mortos em Ituri, no nordeste da RDCongo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório