Meteorologia

  • 06 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

"A supremacia branca não terá a última palavra" nos Estados Unidos

Presidente dos EUA considera que tiroteio em Buffalo foi terrorismo.

"A supremacia branca não terá a última palavra" nos Estados Unidos
Notícias ao Minuto

19:01 - 17/05/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Biden

O presidente norte-americano, Joe Biden, visitou, esta terça-feira, o local onde, no fim de semana, 10 pessoas morreram vítimas de um tiroteio motivado por ódio racial, em Buffalo.

"Viemos para fazer o luto convosco", começou por afirmar o chefe de Estado, que se fez acompanhar pela sua mulher Jill.

"É como sentíssemos um buraco negro no peito, como se estivéssemos a sufocar, sem conseguir respirar. A raiva e a dor, a tristeza de uma perda tão profunda", prosseguiu, citado pelo The Guardian, deixando depois uma garantia aos que se encontravam presentes.

"Nos Estados Unidos, o mal não vencerá. Prometo-vos. O ódio não prevalecerá. A supremacia branca não terá a última palavra", prometeu, considerando que o que aconteceu em Buffalo "é terrorismo simples e direto, terrorismo doméstico, violência infligida ao serviço do ódio, e uma sede viciosa de poder".

Joe Biden recordou outros tiroteios semelhantes, como os de El Paso, Atlanta, ou Dallas. "A supremacia branca é um veneno. É um veneno que atravessa a nossa política, que se deixou apodrecer, e que está a crescer mesmo à frente dos nossos olhos. Não mais. Acabou-se", disse.

Joe Biden apelou mais uma vez para a regulação de armas de fogo: "Não sou ingénuo. Sei que a tragédia se repetirá (...) mas há coisas que podemos fazer. Podemos proibir as armas de assalto nas nossas ruas".

O democrata pede há muito ao Congresso para proibir as armas de assalto, mas deparou-se até agora com uma oposição republicana a qualquer tipo de regulamentação.

A organização Gun Violence Archive contabilizou já este ano mais de 200 "tiroteios com várias vítimas" nos Estados Unidos, nos quais pelo menos quatro pessoas foram feridas ou mortas, incluindo o perpetrado no sábado em Buffalo por Payton Gendron, um jovem branco de 18 anos que, antes do massacre, se apresentou como "fascista", "racista" e "antissemita" num manifesto de 180 páginas.

No sábado, um tiroteio num supermercado Tops em Buffalo, no estado de Nova Iorque, resultou na morte de dez pessoas, além de ter deixado três pessoas feridas. O atirador rendeu-se às autoridades pouco depois de terminar.

O único suspeito é Payton Gendron, um adolescente branco de 18 anos que deixou um manifesto de centenas de páginas na internet, e uma longa pegada digital, nos quais defendia a morte de pessoas negras e a teoria da substituição racial - uma teoria da conspiração conservadora, veiculada por canais conservadores como a Fox News e por alguns políticos norte-americanos, que afirmam que o aumento de imigração ilegal e o casamento transracial irá diluir a população caucasiana e inclinar o país para a esquerda.

O presidente e a primeira dama, Jill Biden, deixaram flores no memorial improvisado pelos residentes da localidade, em homenagem às vítimas do ataque.

Leia Também: EUA. Biden visita local do ataque, que irá classificar como terrorismo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório