Meteorologia

  • 27 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

Starbucks cobrirá viagens para trabalhadores que procurem abortos nos EUA

A Starbucks disse hoje que pagará as despesas de viagem aos seus funcionários norte-americanos que procurem abortar ou realizar procedimentos de confirmação de género se esses serviços estiverem indisponíveis a menos de 160 quilómetros de suas casas.

Starbucks cobrirá viagens para trabalhadores que procurem abortos nos EUA
Notícias ao Minuto

22:52 - 16/05/22 por Lusa

Mundo Starbucks

A gigante do café de Seattle informou que também disponibilizará o benefício de viagem para os dependentes de funcionários inscritos no plano de saúde da Starbucks.

A companhia tem 240.000 funcionários nos Estados Unidos, mas a empresa não informou qual a percentagem que está inscrita no seu plano de saúde.

A Starbucks está entre as maiores empresas a adotar um benefício de viagem para trabalhadores após a fuga de informação sobre um projeto de opinião do Supremo Trinunal norte-americano que revogaria o direito ao aborto no país.

"Independentemente do que o Supremo Tribunal decidir, sempre garantiremos que os nossos parceiros tenham acesso a cuidados de saúde de qualidade", escreveu Sara Kelly, vice-presidente executiva interina de recursos de parceiros da Starbucks, numa carta aos funcionários.

A Amazon também cobrirá em até 4.000 dólares (3.830 euros) as despesas de viagem e hospedagem de funcionários que procurem tratamentos médicos sem risco de vida, incluindo abortos e procedimentos de confirmação de género.

De acordo com mensagens enviadas aos funcionários, o benefício está em vigor desde o início deste ano e aplica-se caso o procedimento não estiver disponível num raio de 160 quilómetros da casa do funcionário.

A Tesla também indicou no início deste mês que cobriria os custos de viagem para funcionários que procurem abortos fora do estado.

Algumas empresas, incluindo a Levi Strauss&Co., Yelp e Citigroup, comprometeram-se em pagar os custos de viagem de funcionários do Texas que procurem abortar, em resposta a uma lei do Texas de 2021 que proíbe abortos após as cerca de seis semanas de gravidez.

Contudo, muitas outras empresas, incluindo Walmart e Facebook, não se manifestaram sobre a questão por enquanto, silêncio que foi notado pela imprensa norte-americana.

O direito foi estabelecido nos Estados Unidos no caso histórico de 1973 conhecido como 'Roe v. Wade', em que foi decidido que as mulheres grávidas têm o direito constitucional de interromper a gravidez até ao ponto de viabilidade fetal, ou seja, a partir do momento em que o feto pode sobreviver fora do útero, que ocorre geralmente em torno de 24 semanas de gestação.

Contudo, se anulada a decisão, os Estados Unidos voltarão à situação que existia antes de 1973, quando cada estado era livre de proibir ou autorizar a realização de abortos.

Dada a grande divisão geográfica e política sobre a questão, espera-se que metade dos estados, especialmente no sul e no centro, mais conservadores, proíbam rapidamente o procedimento, entre Texas, Arizona, Missouri, Geórgia, Ohio, Indiana ou Wisconsin.

Antes da sentença, em 1973, 30 estados dos 50 que compõem os Estados Unidos tinham leis que proibiam o aborto em qualquer momento da gravidez.

O resultado da decisão do Supremo, de maioria conservadora, está previsto para junho e terá também repercussões na campanha eleitoral antes das eleições intercalares de novembro, que determinarão que partido controlará o Congresso.

Leia Também: Direito ao aborto revogado? Biden poderá declarar emergência de saúde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório