Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 31º

Opositores do aborto apoiam projeto de decisão do Supremo dos EUA

A manifestante antiaborto Barbara Beavers tentou hoje persuadir outras mulheres a não interromperem a gravidez, após ter sido noticiado que o Supremo Tribunal dos EUA se prepara para anular a decisão de 1973, que reconheceu o direito ao aborto.

Opositores do aborto apoiam projeto de decisão do Supremo dos EUA
Notícias ao Minuto

06:45 - 04/05/22 por Lusa

Mundo EUA

Barbara Beavers protestou junto a uma clínica no estado norte-americano do Mississípi, gritando palavras de ordem como: "Perguntem-me sobre testes de gravidez e ultrassons" e "Vocês não precisam de fazer isso hoje".

A opositora do aborto, que se reformou de uma clínica de gravidez em crise e que tenta convencer as mulheres a não interromperem o parto, rezou e tentou conversar com as pessoas enquanto saíam dos automóveis.

"Estou a oferecer ajuda e alternativas ao aborto", disse Barbara Beavers, que reside em Jackson.

"O aborto causa ferimentos tanto nas mulheres como nas crianças que ainda não nasceram, e por isso quero oferecer-lhes um último -- antes de entrarem -- lugar de descanso, ajuda e esperança", disse.

Questionada se achava que algum dia veria o processo Roe v. Wade ser anulado, Barbara Beavers realçou: "Dred Scott foi derrubado. Era uma má lei. A lei de Roe v. Wade é má. Precisamos de defender os nossos filhos, nascituro ou nascidos. Precisamos de defendê-los. Precisamos apoiá-los. Não precisamos de matá-los".

O presidente do Supremo Tribunal norte-americano confirmou hoje a autenticidade de um projeto de decisão tornado público sustentando a anulação da decisão histórica de 1973 que reconheceu o direito ao aborto no país, e ordenou uma investigação.

No primeiro comentário público do Supremo desde que o projeto foi publicado na segunda-feira, o juiz-presidente John Roberts disse que, "embora o documento descrito nos relatórios seja autêntico, não representa uma decisão do Tribunal ou a posição final de qualquer membro sobre as questões no caso".

Roberts classificou como uma "grave quebra de confiança" a fuga de informação sobre o projeto, informando que ordenou ao chefe da polícia do Supremo Tribunal dos Estados Unidos "para iniciar uma investigação sobre a fonte da fuga de informação".

"Na medida em que essa traição às confidências do Supremo pretendia minar a integridade das nossas operações, não terá sucesso", acrescentou.

Num comunicado divulgado um dia após o site noticioso norte-americano Politico ter noticiado, citando documentos confidenciais, que o Supremo se prepara para anular a decisão de 1973, conhecida por 'Roe v. Wade', o Presidente norte-americano Joe Biden disse que o seu Governo está a preparar-se para todas as eventualidades.

Joe Biden declarou ainda que a "justiça básica e a estabilidade da lei" no país exigem que o Supremo Tribunal não anule a decisão histórica de 1973 que reconheceu o direito ao aborto.

Já o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, classificou a fuga de informação como "um ataque à independência do Supremo Tribunal" , e pediu que essa "ação ilegal seja investigada e punida o mais completamente possível".

"Esta foi mais uma escalada na campanha em andamento da esquerda radical para intimidar juízes federais e substituir o estado de direito pelo poder das ruas", disse McConnell, em comunicado.

O republicano lançou ainda duras críticas a Joe Biden e à sua administração, por alegadamente se "recusarem a defender a independência judicial e o estado de direito e, em vez disso, preferirem jogar neste espetáculo tóxico".

Por outro lado, o líder da maioria no Senado, o democrata Chuck Schumer, declarou que o projeto de decisão agora tornado público é uma "abominação".

O democrata de Nova Iorque prometeu hoje que, se a decisão for válida, o Senado votará a legislação para defender o acesso das mulheres ao aborto.

De acordo com Schumer, com este projeto de decisão, o Supremo "está pronto para infligir a maior restrição de direitos nos últimos 50 anos, não apenas às mulheres, mas a todos os norte-americanos".

O jornal norte-americano Politico noticiou na segunda-feira que o Supremo Tribunal dos Estados Unidos prepara-se para anular a decisão histórica de 1973 que reconheceu o direito ao aborto.

O jornal afirmou ter obtido um projeto de decisão escrito pelo juiz conservador Samuel Alito e datado de 10 de fevereiro, que ainda está a ser negociado até à publicação, prevista para antes de 30 de junho.

O processo Roe v. Wade, que há quase meio século sustentava que a Constituição dos EUA protegia o direito da mulher a fazer um aborto, era "totalmente sem mérito desde o início", de acordo com o documento obtido e citado pelo Politico.

"Acreditamos que Roe v. Wade deve ser anulado", acrescenta Samuel Alito, para quem o direito ao aborto "não está protegido por qualquer disposição da Constituição" norte-americana.

Se esta conclusão for aceite pelo Supremo Tribunal, os Estados Unidos voltarão à situação que existia antes de 1973, quando cada estado era livre de proibir ou autorizar a realização de abortos.

Leia Também: Democratas vão forçar votação simbólica sobre aborto no Senado dos EUA

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório