Meteorologia

  • 16 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

Ucrânia. Bulgária vai aprovar envio de armas, diz primeiro-ministro

O Parlamento búlgaro deverá autorizar em breve o envio de armas para a Ucrânia, apesar de alguma oposição dentro da coligação governamental, anunciou hoje o primeiro-ministro da Bulgária, horas antes de reunir-se com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Ucrânia. Bulgária vai aprovar envio de armas, diz primeiro-ministro
Notícias ao Minuto

13:41 - 28/04/22 por Lusa

Mundo Rússia/Ucrânia

"Como parte do mundo democrático, não podemos ficar indiferentes a esta tragédia e dizer que é um problema exclusivamente ucraniano (...). A Ucrânia não é um problema alheio", afirmou Kiril Petkov, em visita à Ucrânia, citado pela imprensa búlgara.

O primeiro-ministro adiantou que acredita que o envio de armas receberá o apoio maioritário do Parlamento, uma medida apoiada por três dos quatro partidos do governo.

Opõe-se, no entanto, o Partido Socialista, herdeiro do antigo Partido Comunista e próximo da Rússia, que ameaçou quebrar a coligação governamental se avançar o apoio militar à Ucrânia.

Com o apoio também da maioria da oposição, espera-se que a iniciativa recolha o voto de 200 dos 240 deputados no Parlamento.

"Durante meses ouvimos a retórica de que é melhor não dar armas à Ucrânia para alcançar a paz o mais rápido possível. Se esta destruição e morte de civis é o preço desta paz, e a Rússia continua a disparar e ninguém tem a possibilidade de se defender, então não a queremos", declarou Petkov, em visita a Borodyanka, um município perto de Kyiv devastado pelas tropas russas.

A Bulgária, membro da UE, é um dos países da NATO que até agora não enviou armas para a Ucrânia, argumentando que isso significaria envolver-se no conflito e prolongá-lo, tese defendida pelo Presidente do país, Rumen Radev, próximo de Moscovo.

Radev, que inicia hoje uma visita oficial a Espanha, acusou o governo de Petkov de ser responsável pela decisão da empresa estatal russa Gazprom de cortar o abastecimento de gás à Bulgária.

O primeiro-ministro disse que esta posição de Radev é "vergonhosa" e insistiu que a Europa dever "ser mais forte" e encontrar "alternativas" ao gás russo.

O assunto foi abordado hoje com chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, que transferiu ao Presidente da Bulgária o apoio de Espanha ao seu país face à "inaceitável chantagem russa" de suspender o fornecimento de gás.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Parlamento alemão aprova moção sobre envio de armas para Kyiv

Recomendados para si

;
Campo obrigatório