Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

China propõe iniciativa para promover segurança "de todos os Estados"

O Presidente chinês propôs hoje uma nova iniciativa para "promover a segurança em todo o mundo", que "respeite tanto a soberania de todos os Estados como o caminho de desenvolvimento que cada um escolhe".

China propõe iniciativa para promover segurança "de todos os Estados"

Xi Jinping proferiu um discurso na abertura do Fórum de Boao, que se realiza na ilha de Hainan, conhecido como o 'Davos asiático', com quase nenhuma presença internacional devido às restrições impostas pela China face à pandemia de covid-19.

"Respeitamos a soberania e a integridade territorial de todos os países. Aderimos à não interferência nos assuntos internos dos outros, e também respeitamos o caminho de desenvolvimento que cada país escolhe", afirmou.

O governante sublinhou que a China continua "comprometida com os princípios da Carta das Nações Unidas" e opõe-se a "mentalidades de guerra fria, unilateralismo e confrontação em bloco", declarações que os políticos chineses usam frequentemente quando se referem aos Estados Unidos para criticar a sua política externa.

"Levamos muito a sério as legítimas preocupações de segurança de todos os países e procuramos uma arquitetura de segurança equilibrada, eficaz e sustentável, em vez de cada um procurar a sua própria segurança à custa dos outros", acrescentou.

Xi referia-se à posição ambígua da China sobre a guerra na Ucrânia, tendo apelado ao respeito pela integridade territorial de todos os países e evitado utilizar a palavra "invasão" para se referir à ofensiva russa, reiterando ao mesmo tempo a sua oposição às sanções contra Moscovo.

"As diferenças e disputas devem ser resolvidas através do diálogo. A China apoia todos os esforços que conduzam a uma solução pacífica das crises, opondo-se simultaneamente à imposição de sanções unilaterais", salientou.

O chefe de Estado chinês falou também da covid-19, numa altura em que a China está a atravessar uma onda de surtos atribuídos à variante Ómicron, que tem resultado num número de infeções semelhante ao registado no início da pandemia, no primeiro semestre de 2020.

"A saúde e a segurança são necessárias para o progresso e desenvolvimento humano, e temos de as defender. Face aos desafios, não devemos perder a confiança, hesitar ou recuar. Temos de reafirmar a nossa confiança e prosseguir contra todas as probabilidades", defendeu.

"São necessários mais esforços se a humanidade quiser alcançar a vitória contra a pandemia. É essencial que os países se apoiem uns aos outros e coordenem melhor as suas ações. Temos de melhorar a governação global da saúde e formar sinergias na luta contra a covid-19", acrescentou.

Xi também garantiu que a China irá proporcionar "grande dinamismo" à recuperação económica global com "mais oportunidades de mercado para todos os países", afirmando que a economia chinesa permanece "forte, resistente, sustentável a longo prazo, com enorme potencial e espaço de manobra".

"São necessários esforços para manter a globalização económica a funcionar e, para o fazer, todos nós precisamos de coordenar melhor as nossas políticas macroeconómicas. Devemos utilizar a ciência e a tecnologia para alcançar novos impulsos de crescimento", indicou.

O Presidente chinês prometeu "manter as cadeias de abastecimento globais estáveis" e "evitar os efeitos negativos dos ajustamentos feitos por alguns países", numa aparente referência à próxima reunião da Reserva Federal dos EUA, a 04 de maio, num contexto de elevadas pressões inflacionistas.

Leia Também: Covid-19. China deve manter tolerância zero ao vírus, insiste Xi Jinping

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório