Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 26º

Famílias de militares britânicos na Ucrânia repreendem ministro

Em causa está uma declaração do ministro para a Irlanda do Norte, que afirmou que os militares “não deviam estar” na Ucrânia e que estar no país invado é “um ato ilegal”

Famílias de militares britânicos na Ucrânia repreendem ministro
Notícias ao Minuto

18:03 - 20/04/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

As famílias de Shaun Pinner e Aiden Aslin, os dois militares britânicos detidos pelas tropas russas na Ucrânia, repreenderam o ministro para a Irlanda do Norte, Brandon Lewis, por sugerir que militares estavam a lutar na guerra “ilegalmente”.

Em causa está uma declaração do ministro à Sky News, onde afirmou que os militares “não deviam estar” na Ucrânia e que estar no país invado é “um ato ilegal”.  Questionado sobre se seria possível uma troca entre os militares e o político ucraniano pró-russo Viktor Medvedchuk, o ministro britânico esclareceu: “Estamos em processo de sancionar aqueles que estão próximos do regime de Putin, não vamos analisar formas que envolvam ajudar a Rússia.”

Sublinhe-se que, na segunda-feira, os militares apareceram em dois vídeos distintos emitidos pela televisão estatal Rossiya 24, alegando que foram capturados em combate na Ucrânia e pedindo ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, para negociar a sua libertação em troca de Medvedchuk.

Agora, as famílias pedem ao ministro para “acertar os seus factos” e explicam que ambos residiam na Ucrânia há vários anos, estando, inclusive, casados com mulheres de cidadania ucraniana. 

“Ambos vivem na Ucrânia há vários anos e fazem parte, legalmente, das Forças Armadas ucranianas”, explicou Nathan Wood, irmão de Aiden Aslin, de 28 anos. 

Também a irmã de Shaun Pinner, de 48 anos, saiu em defesa do militar e enviou um esclarecimento ao Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico. “A nossa declaração oficial ao Ministério dos Negócios Estrangeiros explica que o meu irmão é um fuzileiro oficial da Ucrânia, seguindo a legislação da Ucrânia, como soldado ucraniano”, afirmou Cassandra Pinner, citada pela imprensa britânica.

“Ele mora na Ucrânia há quatro anos. A sua mulher é ucraniana. Ele não deve ser rotulado como um mercenário ou voluntário britânico. Ele não deixou o Reino Unido para lutar neste conflito”, acrescentou.

Assinala-se, esta quarta-feira, o 56º dia da invasão russa da Ucrânia. Pelo menos 2.072 civis morreram e 2.818 ficaram feridos, segundo dados confirmados pela Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta que o número real pode ser muito maior.

Leia Também: AO MINUTO: Rússia entregou acordo à Ucrânia; "História não esquecerá"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório