Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 26º

União Europeia fará "todo o possível" para que Kyiv "ganhe a guerra"

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, assegurou hoje, numa visita a Kyiv, que a União Europeia fará "tudo o que for possível" para que a Ucrânia "ganhe a guerra contra a Rússia".

União Europeia fará "todo o possível" para que Kyiv "ganhe a guerra"
Notícias ao Minuto

17:45 - 20/04/22 por Lusa

Mundo Ucrânia


"Não estão sós, estamos convosco e faremos tudo o que nos for possível para vos apoiar e fazer com que a Ucrânia ganhe a guerra", declarou Michel numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Na sua primeira deslocação à capital ucraniana desde o início da invasão russa de 24 de fevereiro, o presidente do Conselho Europeu também assinalou que o Presidente russo Vladimir Putin "não conseguirá dividir" a UE.

"Não conseguirá nem destruir a soberania da Ucrânia, nem dividir a União Europeia", indicou ainda Michel sobre Putin, ao saudar a capacidade dos Vinte Sete para "tomar decisões em conjunto, por unanimidade", sobre as sanções contra a Rússia.

Nas suas declarações durante a conferência de imprensa comum, Zelensky frisou que a adesão da Ucrânia à UE "é uma prioridade".

"É uma prioridade para o nosso Estado, para a potência do nosso povo", afirmou Zelensky após o encontro com Michel.

Nas suas declarações, o líder de Kiev assinalou que falou com Michel durante duas horas sobre as áreas em que a UE pode ajudar a Ucrânia no atual conflito e insistiu na importância de "reforçar ao máximo a pressão das sanções" e "fazer todo o possível para privar a Rússia das possibilidades de financiar a guerra".

Apesar de se manifestar "agradecido" pelo quinto pacote de sanções comunitárias a Moscovo, que entre outras medidas incluem um embargo ao carvão russo, assinalou que "de momento não são suficientes para deter o financiamento desta guerra" e pediu que "sejam elaboradas com mais detalhes e complementadas".

Nesse sentido, Zelensky disse que gostaria de ver aplicado um "embargo energético total" da UE à Rússia e que o petróleo "deve fazer parte" do próximo pacote de sanções comunitárias, porque sem esta proibição de importações "o pacote estará vazio e não será suficientemente potente".

O chefe de Estado ucraniano também solicitou que todos os bancos russos sejam excluídos do sistema SWIFT e que "cada funcionário russo e suas famílias sintam na pele a ação das sanções e as consequências do seu apoio pessoal à guerra".

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, mais de cinco milhões das quais para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

[Notícia atualizada às 17h59]

Leia Também: Charles Michel encontra-se com Zelensky em Kyiv. Veja o vídeo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório