Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 26º

Kyiv pede ajuda militar à Bulgária e critica relutantes

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, em visita a Sófia, apelou hoje à Bulgária para que preste assistência militar ao seu país o mais rapidamente possível, criticando quem, no governo búlgaro, se opõe a essa ajuda.

Kyiv pede ajuda militar à Bulgária e critica relutantes
Notícias ao Minuto

13:44 - 20/04/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

As autoridades "sabem perfeitamente quais são os nossos pedidos", disse aos jornalistas o ministro, que chegou segunda-feira à noite à capital da Bulgária após uma viagem de carro que demorou 20 horas.

"Quando estamos em guerra, precisamos de tudo, desde balas a aviões de combate", acrescentou o chefe da diplomacia ucraniana.

Membro da União Europeia e da NATO, a Bulgária fabrica munições, mísseis, armas ligeiras e possui aviões MiG-29 de tecnologia soviética.

Mas os socialistas do PSB, que fazem parte da coligação no poder, opõem-se firmemente a que o país, tradicionalmente próximo de Moscovo, dê ajuda militar à Ucrânia.

A líder desse partido e ministra da Economia, Kornelia Ninova, que controla as licenças de exportação de armas, tem dito repetidamente que enquanto estiver no governo, "nem um prego" será exportado para a Ucrânia.

"Respeitamos a situação política na Bulgária e deixamos o parlamento e o governo decidirem como e quando ajudar a Ucrânia", referiu Kuleba.

"Mas repito: todos aqueles que estão relutantes, que se manifestam contra o fornecimento de armas e outros equipamentos militares à Ucrânia, apoiam a agressão russa e o assassinato dos nossos cidadãos", sublinhou.

Durante a sua visita, o chefe da diplomacia ucraniana reuniu-se com o Presidente búlgaro Rumen Radev, também ele cético quanto ao envio de ajuda, e com o primeiro-ministro, Kiril Petkov.

A Ucrânia continua a apelar à NATO e aos europeus para que acelerem a sua ajuda, à medida que as tropas russas intensificam a sua ofensiva no Leste e sul do país.

Kuleba instou de novo a Europa a deixar de comprar petróleo e gás russos. "Ajudar a Ucrânia enquanto paga à Rússia equivale a de um lado salvar-nos e do outro financiar a máquina militar russa que nos está a matar", afirmou.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, mais de cinco milhões das quais para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Noruega enviou uma centena de mísseis antiaéreos para as forças de Kyiv

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório