Meteorologia

  • 28 MAIO 2023
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

Relógio de bolso roubado pelos nazis volta à família após 80 anos

Foi possível encontrar a família través das redes sociais.

Relógio de bolso roubado pelos nazis volta à família após 80 anos
Notícias ao Minuto

19:05 - 17/04/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Insólito

Um relógio de bolso feito por um relojoeiro judeu para o seu irmão que morreu no campo de concentração de Auschwitz encontrou o seu caminho de volta à família quase 80 anos depois, noticia o New York Times

O agricultor belga Gustave Janssens encontrou o relógio no seu campo em 1944, em Molenstede, Flandres. A sua quinta tinha sido requisitada pelos nazis e Janssens pensava que um dos soldados, que usava o campo como casa de banho, o devia ter perdido ali. O meu avô não era amigo dos nazis', disse o seu neto Pieter Janssens à emissora local Rijnmond.

Ele sabia imediatamente que o relógio não poderia ter pertencido a nenhum dos soldados. Ele não disse nada, mas guardou-o, talvez com a intenção de um dia o devolver ao seu legítimo proprietário'. Janssen escondeu o relógio de bolso num grande relógio onde foi encontrado depois da morte do avô e do pai de.

Com a intenção de encontrar o seu verdadeiro proprietário do relógio, a inscrição no relógio provou ser um bom ponto de partida. Dizia "Neufchâteau 1910, feito por A.A. Overstrijd, pour mon frère Louis" e era aparentemente um presente de aniversário para alguém que tinha feito 18 anos", disse.

Uma pesquisa na Internet colocou-o em contacto com o historiador do património de Roterdão Rob Snijders. Com a informação que Snijders lhe deu, Janssens escreveu um artigo sobre o relógio e colocou-o no Facebook e no Twitter. "Nem 24 horas depois, recebi uma mensagem de alguém a dizer-me para procurar um R. van Ameijden".

O homem que Janssens tinha contactado foi Richard van Ameijden, neto de Alfred. O relojoeiro Alfred Overstrijd tinha sido preso em 1942 e morreu em Auschwitz em 1943. O seu irmão Louis tinha sido preso no mesmo dia e morreu pouco depois da guerra. Van Ameijden e as suas duas irmãs mais velhas ficaram surpreendidas e comovidas com a descoberta.

"Temos muito poucas recordações tangíveis do nosso avô, o que torna isto muito especial", disse Richard van Ameijden. Como o relógio, que ainda está funcionamento, acabou na Bélgica, o historiador Rob Snijders pensa que tal pode resultar das deportações em massa que tiveram lugar em 1942 e 1943.

"Um soldado nazi provavelmente roubou o relógio quando visitou a casa ou tirou-o ao dono", disse. 

Leia Também: Noiva faz marido assinar contrato insólito: lavar a louça "todos os dias"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório