Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

Desapontada com a UE, Ucrânia luta por valores europeus, comenta analista

 O analista ucraniano Serhiy Harmash considera que a Ucrânia está desapontada com o comportamento da União Europeia e defende que o país está mais a lutar por viver com valores europeus do que pela integração do país.

Desapontada com a UE, Ucrânia luta por valores europeus, comenta analista
Notícias ao Minuto

08:21 - 03/04/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Depois de Maidan e 2014, mais do que querermos viver na Europa, nós queremos viver como europeus e com valores europeus", afirmou, em entrevista à Lusa, o analista e diretor do site Ostro V, recordando os protestos populares que levaram à queda de um governo pró-russo conhecidos como a 'Revolução da Dignidade' e o ano em que os russos ocuparam a península da Crimeia (sul) e territórios nas províncias de Lugansk e Donetsk (Donbass, a leste), respetivamente.

Sobre o ambiente de radicalização existente no país, Serhiy Harmash considera que este é um resultado do ambiente de guerra permanente com a Rússia desde 2014 e acredita que esse espírito nacionalista vai diminuir em tempo de paz.

Para já, estes discursos mais patrióticos são "bons para nós" porque ajudam a mobilizar as pessoas, explicou. "Será bom para nós. Hoje em dia, temos discursos internos mais nacionalistas como o ´Slava Ukrainii´ [uma frase de guerra que significa Glória à Ucrânia], por exemplo, mas não acho que sejamos mais radicais que outros países que viveram sob ocupação ou estejam em guerra", disse Harmash, admitindo que a "guerra fez da Ucrânia um país "mais radical e mais patriótico".

Mas, "quando houver paz na Ucrânia, não acredito que os radicais tenham sucesso. Não queremos radicais, nós sabemos o mal que faz o radicalismo aqui ao lado", numa referência ao ultranacionalismo russo.

Sobre o trabalho do Presidente ucraniano, o analista faz um balanço positivo. "Zelensky tem algumas questões menos consensuais, mas nesta situação está a ser eficaz e racional. É mais educado e polido que Poroshenko [o seu antecessor] mas, provavelmente Churchill seria melhor que Zelensky".

"Estamos unidos na guerra, mas somos uma democracia e nem todos concordaram sequer com as negociações da Turquia", acrescentou, admitindo que o chefe de Estado ucraniano tem mostrado ser "forte e prático", principalmente nas questões externas.

"Apesar de tudo, penso que temos sorte em termos Zelensky como presidente. Não temos opções: se não ganharmos a Ucrânia como país será destruído".

Serhiy Harmash não acredita que o governo de Kiev aceite cedências territoriais aos russos, incluindo zonas perdidas em 2014. "Quanto à Crimeia não sei, mas Donbass não. Faz parte da identidade nacional, nenhum Presidente vai aceitar isso e continuar no poder", explicou.

Leia Também: "Putin é o maior estímulo para ganharmos esta guerra", diz analista

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório