Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

Ucrânia: Bandeiras feitas em centro de deficientes promovem patriotismo

O internato feminino de deficientes de Odessa, no sul da Ucrânia, transformou-se num centro de produção de bandeiras e balaclavas (passa-montanhas) para os milhares de postos de controlo que garantem a segurança interna em plena invasão russa.

Ucrânia: Bandeiras feitas em centro de deficientes promovem patriotismo
Notícias ao Minuto

06:47 - 03/04/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

Numa visita guiada ao local, o diretor do centro Andrii Pechory explicou que as alunas já faziam costura e bordados, principalmente camisolas tradicionais e quadros de santos, mas, com a guerra na Ucrânia, "toda a gente quis ajudar".

Na sala com sete máquinas de costura, é Galina, com cerca de 70 anos, quem gere as utentes no fabrico das bandeiras, juntando o azul e o amarelo das cores nacionais com uma faixa para colocar a haste.

Criada com a cor vermelha da bandeira soviética, Galina gosta mais da atual composição. "É mais bonita, até porque é nossa e não deles", numa referência aos russos.

Andrii Pechory concorda e vai mais longe. "Isto é um símbolo da nossa liberdade que nos custou tanto a conquistar".

"Não é para vender, daqui sai para todo o país. É a nossa forma de contribuir", explica o diretor do espaço, salientando que estas utentes também produzem passa-montanhas para os vigilantes dos postos de controlo.

O centro tem 91 utentes, um número que aumentou com a guerra, já que receberam mais 33 mulheres de um outro local da província, entretanto encerrado.

Todos os dias, as utentes cantam o hino ucraniano, mas o diretor alega que o objetivo desta confeção é também ajudar a sua integração profissional.

"Já fazíamos bordados e costura. Apenas mudou o tipo de coisa que fazemos", refere Andrii Pechory, salientando que a primeira meta da instituição é aumentar a autossuficiência das utentes.

O centro recebe crianças órfãs que ficam institucionalizadas e só podem sair para a vida ativa quando tiverem condições para sobreviver. "Temos pessoas de várias idades e só saem de cá quando têm uma profissão".

No caso de a situação militar em Odessa se descontrolar, Andrii Pechory tem já acordo com outras instituições do género no país e no exterior para retirar as utentes.

"Temos tudo tratado, medicamentos para três meses", mas "não é só mudar as utentes, têm de seguir as equipas de apoio, pessoal médico e outro".

A saúde mental na Ucrânia continua a ser um problema, admite o diretor do centro, salientando que muitas famílias abandonam os filhos que apresentam problemas, mesmo que ligeiros.

Para tentar combater esse estigma, a instituição, que vive de apoios estatais e doações de particulares, quer construir um jardim infantil e um centro de residência semanal para utentes, que podem passar os fins de semana e férias com as famílias.

Leia Também: Ucrânia: Três fortes explosões registadas em Odessa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório