Meteorologia

  • 20 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 20º MÁX 36º

Pequim vai manter posição sobre conflito na Ucrânia

Pequim não vai alinhar em sanções contra Moscovo ou opor-se abertamente ao conflito na Ucrânia, apesar da eventual pressão das autoridades europeias nesse sentido durante a cimeira União Europeia--China, na sexta-feira, disse à Lusa um analista chinês.

Pequim vai manter posição sobre conflito na Ucrânia

Pequim tem mantido uma posição ambígua em relação à invasão russa da Ucrânia.

Por um lado, defendeu que a soberania e a integridade territorial de todas as nações devem ser respeitadas - um princípio de longa data da política externa chinesa e que pressupõe uma postura contra qualquer invasão -, mas ao mesmo tempo opôs-se às sanções impostas contra a Rússia e apontou a expansão da NATO para o leste da Europa como a raiz do problema.

Gao Zhikai, que serviu como intérprete do antigo líder chinês Deng Xiaoping e é atualmente um dos mais conhecidos comentadores da televisão chinesa, disse à Lusa que "não é realista" esperar que Pequim prejudique os laços comerciais com Moscovo.

"A China é um grande comprador do petróleo e gás russos. Existem oleodutos para o petróleo e para o gás. Os dois países partilham uma fronteira comum com mais de 4.000 quilómetros, e o intercâmbio humano é muito dinâmico", descreveu.

Segundo o embaixador da UE na China, Nicolas Chapuis, a questão da invasão Ucrânia pela Rússia deve pesar fortemente sobre a cimeira, que se vai realizar por videoconferência.

O foco "em primeiro lugar" dos europeus vai ser reunir o "máximo de apoio possível da China", para "ajudar a Europa a parar com a guerra na Ucrânia", declarou Chapuis há duas semanas, salientando: "Nesta guerra, não pode haver a chamada neutralidade".

O comércio entre a China e a Rússia subiu 35,9%, em 2021, em termos homólogos, para um valor recorde de 146,9 mil milhões de dólares (cerca de 132 mil milhões de euros), segundo dados da Administração Geral das Alfândegas da China.

Para o analista chinês, Pequim está do "lado certo da História", ao "encorajar as negociações, em vez de estimular uma guerra mais prolongada na Ucrânia".

"As sanções não funcionarão", previu.

"Certamente, vão ser muito dolorosas para a Rússia, mas não vão encurralar a Rússia ao ponto de a subordinar à Europa ou aos Estados Unidos", disse, adiantando que "apenas tornarão a Rússia mais resiliente e mais resoluta na luta por qualquer propósito que tenha estabelecido".

Gao sugeriu antes que as preocupações de segurança da Rússia sejam consideradas.

"Não vai haver paz duradoura na Europa, enquanto a Rússia for excluída", disse. "Como é possível haver paz, estabilidade e crescimento na Europa, sem contar com o maior país do mundo, que tem um dos maiores arsenais nucleares, situado ali ao lado", questionou.

Outro ponto-chave da cimeira é o Acordo Compreensivo de Investimento (CAI) UE--China, cuja ratificação pelo Parlamento Europeu ficou 'congelada', depois de Pequim ter imposto sanções retaliatórias contra eurodeputados.

Pequim avançou com sanções depois de a UE, Reino Unido, Canadá e Estados Unidos terem imposto sanções coordenadas contra as autoridades chinesas por abusos dos Direitos Humanos na região de Xinjiang, no extremo oeste do país.

As tensões agravaram-se depois de a Lituânia ter aprovado a abertura de um escritório de representação de Taiwan, território que Pequim considera como uma província sua.

A decisão da Lituânia é vista por Pequim como uma provocação, principalmente porque esta representação é designada 'Escritório de Representação de Taiwan', ao invés de Taipé, o nome da capital da ilha, pressupondo o reconhecimento de Taiwan como entidade política soberana.

"Isto acontece porque há certos membros do Parlamento Europeu que realmente se envolveram em atividades que são percebidas, do ponto de vista chinês, como interferência e violação do princípio 'Uma só China'", explicou Gao.

O reconhecimento daquele princípio é visto por Pequim como uma garantia de que Taiwan é parte do seu território.

"Se esse princípio é violado, a China não tem outra escolha senão retaliar", apontou.

Leia Também: China inicia julgamento de jornalista sino-australiana por espionagem

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório