Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 22º

Ucrânia. Noruega pede a Putin fim das hostilidades e retirada de tropas

O primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, pediu hoje ao Presidente russo, Vladimir Putin, o fim das hostilidades na Ucrânia, a retirada das tropas russas e a garantia de acessos humanitários, anunciou o Governo de Oslo.

Ucrânia. Noruega pede a Putin fim das hostilidades e retirada de tropas

"A invasão da Ucrânia pela Rússia é um ataque brutal a um país livre e a um povo inocente, que está a ser submetido a um sofrimento inimaginável", disse Støre, citado em comunicado, após uma conversa com o líder russo.

O governante assegura ter exortado Putin "a encerrar as hostilidades na Ucrânia, a retirar as forças russas e a garantir o acesso humanitário", numa conversa que terá durado cerca de uma hora.

O Governo de Oslo refere que a conversa, o primeiro contacto oficial conhecido desde o início da invasão à Ucrânia, ocorreu "após uma consulta aos aliados nórdicos, americanos e europeus".

A Noruega, país membro da NATO, faz fronteira com a Rússia e habitualmente mantém boas relações com Moscovo, apesar de ter havido um distanciamento após a anexação russa da península da Crimeia, em 2014.

Apesar de não ser membro da União Europeia (UE), a Noruega impôs à Rússia sanções idênticas às adotadas pelos 27, na sequência da invasão à Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro.

Na quarta-feira, Støre falou com o seu homologo ucraniano, Denys Chmygal, e no mesmo dia o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pediu à Noruega, o segundo maior fornecedor de gás natural à Europa a seguir à Rússia, que forneça mais energia ao seu país e à UE.

Durante um discurso por videoconferência perante o parlamento norueguês (Storting), Zelensky também defendeu que os navios russos "não deveriam ter o direito de usar os portos do mundo livre".

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Geórgia rejeita referendo sobre integração da Ossétia do Sul na Rússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório