Meteorologia

  • 07 AGOSTO 2022
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 26º

Mali. Morreu o antigo primeiro-ministro Soumeylou Maiga, que estava preso

O antigo primeiro-ministro do Mali Soumeylou Boubeye Maiga morreu hoje aos 67 anos, em Bamaco, onde estava detido por causa de um alegado caso de fraude, anunciaram familiares.

Mali. Morreu o antigo primeiro-ministro Soumeylou Maiga, que estava preso
Notícias ao Minuto

14:59 - 21/03/22 por Lusa

Mundo Óbito

Maiga morreu de manhã numa clínica de Bamaco, rodeada por guardas, disse um elemento da família à agência France-Presse.

Soumeylou Boubèye Maiga, um destacado político maliano, foi entre 2017 e 2019 o primeiro-ministro do Presidente Ibrahim Boubacar Keita, que chegou ao poder em 2013, tendo sido derrubado em agosto de 2020 por um golpe militar e que morreu depois em janeiro passado.

Maiga foi anteriormente ministro dos Negócios Estrangeiros, ministro da Defesa e chefe dos serviços de informação.

Desde agosto de 2021 que o antigo primeiro-ministro estava detido na prisão central em Bamaco. Foi transferido em dezembro para a clínica, onde morreu hoje.

Tinha sido preso após ser acusado de "falsificação, uso de falsificação e favoritismo" no contexto de uma investigação sobre a compra de equipamento militar e a aquisição de um avião presidencial em 2014, quando era ministro da Defesa.

A compra deste avião foi identificada pelo Gabinete do Auditor Geral (OAG), uma autoridade maliense independente, que tinha denunciado práticas de sobrefaturação, desvio de fundos públicos, fraude, tráfico de influências e favoritismo.

Nomeado primeiro-ministro em 2017, Maiga foi forçado a demitir-se após o massacre de cerca de 160 civis Fulani, em abril de 2019, em Ogossagou (centro), por alegados caçadores Dogon, e após uma série de manifestações que denunciaram a má gestão do país.

Depois da sua saúde se ter deteriorado, os médicos solicitaram que fosse transferido para tratamento. Em 02 de março, a sua mulher escreveu ao chefe da junta do Mali, o coronel Assimi Goita, numa carta aberta.

Os médicos "notaram a gravidade do seu estado e concluíram que é imperativo que ele seja transferido para o estrangeiro", disse a sua família numa declaração, em dezembro.

O antigo primeiro-ministro era o líder de um partido, ASMA-CFP (Alliance for Solidarity in Mali - Convergence of Patriotic Forces).

O coronel Assimi Goita comprometeu-se a entregar o poder aos civis após as eleições, cuja data ainda não foi fixada.

O regresso dos civis ao poder no Mali é uma fonte de contenda com os Estados da África Ocidental, que em janeiro sancionaram a junta por revogar a sua promessa inicial de realizar eleições em fevereiro.

Leia Também: Mali. Junta militar no poder suspende difusão da RFI e France 24 no país

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório