Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 31º

Oligarca dos 'media' em Londres pede a Putin para terminar guerra

O oligarca e magnata dos 'media' nascido na Rússia e residente no Reino Unido, Evgeny Lebedev, usou as páginas de um dos seus jornais para pedir ao Presidente russo, Vladimir Putin, que termine a invasão da Ucrânia.

Oligarca dos 'media' em Londres pede a Putin para terminar guerra
Notícias ao Minuto

17:40 - 28/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

A edição de hoje do jornal Evening Standard, de Londres, publica na primeira página uma declaração de Lebedev.

"Presidente Putin, por favor, pare esta guerra", lê-se na primeira página do jornal, que tem em destaque uma imagem de médicos que lutam para salvar uma menina de seis anos vítima de um bombardeamento em Mariupol, a segunda maior cidade do Donbass (leste da Ucrânia).

"Como cidadão russo, peço-lhe que impeça os russos de matar os seus irmãos e irmãs ucranianos. Como cidadão britânico, peço-lhe que salve a Europa da guerra", escreveu Lebedev, no texto publicado no jornal.

Lebedev, cujo pai, o também oligarca Alexander Lebedev, chegou a trabalhar para os serviços secretos da antiga União Soviética (KGB), tornou-se membro da Câmara dos Lordes (câmara alta do Parlamento do Reino Unido) em 2020.

Também os oligarcas Oleg Deripaska, aliado de Putin, e Mikhail Fridman, que está na lista de sanções dos Estados Unidos, pediram o fim da violência.

Enquanto isso, o empresário russo Roman Abramovich aceitou um pedido da Ucrânia para ajudar a mediar as conversações de paz com a Rússia, disse hoje uma porta-voz do proprietário do clube inglês de futebol Chelsea.

"Posso confirmar que Roman Abramovich foi contactado pelo lado ucraniano para apoio na obtenção de uma resolução pacífica, e que tem tentado ajudar desde então", disse a porta-voz, citada pela televisão Al Jazeera.

A porta-voz recusou-se a comentar a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, bem como o envolvimento de Abramovich, "considerando o que está em jogo".

O envolvimento de Abramovich na mediação do conflito foi inicialmente noticiado pelo jornal britânico Jewish News, que disse que as autoridades ucranianas tinham contactado o empresário russo através dos seus contactos judeus na Ucrânia.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev.

A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Leia Também: Milhares pedem para se juntar à legião estrangeira contra a Rússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório