Meteorologia

  • 14 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 27º

República da Irlanda, Dinamarca e Bélgica fecham espaço aéreo a russos

A República da Irlanda, Dinamarca e Bélgica vão fechar o seu espaço aéreo a todos os aviões russos devido à incursão militar da Rússia na Ucrânia.

República da Irlanda, Dinamarca e Bélgica fecham espaço aéreo a russos
Notícias ao Minuto

11:08 - 27/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

A Áustria, país neutro que não integra a NATO, também está disponível para encerrar o seu espaço aéreo aos aviões russos, aguardando, contudo, uma decisão da reunião de hoje dos ministros dos Nagócios Estrangeiros da União Europeia (UE).

O encerramento do espaço aéreo irlandês a aviões russos foi anunciado hoje pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da República da Irlanda, Simon Coveney.

"São chocantes os ataques russos na Ucrânia de um dia para o outro. A Irlanda atuará para fechar o espaço aéreo irlandês a todos os aviões russos", escreveu o ministro na sua conta na rede social Twitter, apelando a outros países da UE para que façam o mesmo.

A Dinamarca foi outro dos países europeus a anunciar hoje o fecho do seu espaço aéreo a aviões russos, incluindo a jatos privados, numa retaliação contra a invasão militar à Ucrânia ordenada por Putin.

Na reunião prevista para hoje dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, "vamos pressionar para um encerramento a nível da UE", escreveu na sua conta no Twitter o chefe da diplomacia dinamarquesa, Jeppe Kofod.

A invasão russa da Ucrânia "deve ser combatida com as mais fortes sanções internacionais possíveis", sustentou.

A Bélgica também vai encerrar o espaço aéreo "A todas as companhias aéreas russas", anunciou hoje o primeiro-ministro, Alexander De Croo.

"Na Europa, os céus estão abertos, mas abertos àqueles que ligam as pessoas, não àqueles que cometem agressões brutais", escreveu hoje o governante belga na sua página no Twitter.

Entretanto, a Áustria, país neutro que não é membro da NATO, preparou-se para fechar o seu espaço aéreo aos russos, aguardando, todavia, uma decisão conjunta dos 27 parceiros da União Europeia (UE) para concretizar a medida.

A afirmação foi feita hoje pela ministra austríaca da Mobilidade, Energia e Proteção Climática, a ambientalista Leonore Gewessler, numa declaração na sua conta do Twitter.

"A Áustria apoia o encerramento do espaço aéreo da UE aos aviões russos. As nossas medidas são mais eficazes quando agimos em uníssono. Por conseguinte, é ainda mais importante que todas as decisões necessárias sejam tomadas rapidamente", escreveu Leonore Gewessler.

"Já tomámos todas as precauções necessárias. Uma vez tomada a decisão (da UE), a Áustria fechará imediatamente o seu espaço aéreo a todos os aviões russos", concluiu a ministra.

Entretanto, a agência noticiosa austríaca APA observa que "tendo em conta o encerramento iminente do espaço aéreo para a Rússia", a Austrian Airlines com sede em Viena informou que está a adotar a mesma medida que a Lufthansa alemã, a que pertence, de não sobrevoar o espaço aéreo russo durante pelo menos os próximos sete dias.

"Os voos para a Rússia serão suspensos durante este período", disse a companhia aérea numa declaração.

Vários países europeus, incluindo a República Checa, Polónia, Alemanha, Bulgária e os Estados Bálticos da Estónia, Letónia e Lituânia, assim como a Finlândia, cujo ministro dos Transportes, Timo Harakka, anunciou sábado, no Twitter, que o país se prepara para fechar o seu espaço aéreo a aviões russos.

Moscovo também começou a proibir os aviões de vários países de atravessarem o seu espaço aéreo.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos 198 mortos, incluindo civis, e mais de 1.100 feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 150.000 deslocados para a Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Leia Também: Rússia espera resposta ucraniana sobre negociações até às 12h

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório