Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 20º

Reino Unido diz que forças russas estão a 30 kms do centro de Kiev

O Ministério da Defesa britânico disse hoje estar em condições de confirmar que as forças russas prosseguem a sua aproximação a Kiev, encontrando-se a cerca de 30 quilómetros do centro da capital ucraniana.

Reino Unido diz que forças russas estão a 30 kms do centro de Kiev
Notícias ao Minuto

11:55 - 26/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

Através da sua conta no Twitter, o Ministério da Defesa do Reino Unido refere que a Rússia ainda não tem o controlo do espaço aéreo sobre a Ucrânia, o "que reduz grandemente a eficácia da força aérea russa".

"As Forças Armadas da Ucrânia continuam a oferecer uma resistência firme em todo o país", lê-se na mesma nota do Ministério da Defesa britânico, com base em informações dos seus serviços secretos, que assinala ser "possível que as baixas do lado russo sejam mais numerosas do que o antecipado e reconhecido pelo Kremlin".

Segundo a entidade militar ucraniana, os russos teriam perdido mais de 3.000 soldados nos combates.

O Ministério da Defesa ucraniano afirmou hoje que nas últimas horas aumentaram as perdas de tropas inimigas, tendo apontado o abate de 14 aviões e de oito helicópteros, bem como a destruição de 102 tanques e de 536 veículos blindados.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 198 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 120.000 deslocados desde o primeiro dia de combates.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e 'desnazificar'" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Leia Também: AO MINUTO: Zelensky pede adesão à UE; Rep. Checa envia armamento

Recomendados para si

;
Campo obrigatório