Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 24º

Ucrânia. Brasil e Argentina abstêm-se de condenar invasão russa

A Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou hoje, numa sessão especial, uma declaração a condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, mas sem a assinatura do Brasil e da Argentina.

Ucrânia. Brasil e Argentina abstêm-se de condenar invasão russa
Notícias ao Minuto

06:37 - 26/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

Na declaração, 21 membros da OEA "condenam veementemente a invasão ilegal, injustificada e não provocada da Ucrânia pela Federação Russa e pedem a retirada imediata da presença militar".

A OEA criticou também "o reconhecimento ilegal pela Rússia" das autoproclamadas repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk, o que alegou representar "uma violação da integridade territorial e da soberania" da Ucrânia.

O embaixador brasileiro junto da OEA, Otávio Brandelli, declarou que o Brasil, membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU, está muito preocupado com a decisão da Rússia de enviar tropas para a Ucrânia.

A Rússia não tem "o direito de usar a força e ameaçar a integridade territorial e a soberania de outro Estado", mas as preocupações russas, "principalmente relacionadas com o equilíbrio de tropas e armas estratégicas no contexto europeu", devem ser levadas em conta, acrescentou Brandelli.

A representante da Argentina, Maria Cecilia Villagra, leu um comunicado, emitido na sexta-feira por Buenos Aires, no qual expressa a "mais forte rejeição do uso da força armada e lamenta profundamente" a situação na Ucrânia.

Também a Nicarágua, que em novembro pediu para deixar a OEA, e a Bolívia não estiveram entre os apoiantes da declaração, que foi assinada por Gustavo Tarre Briceño, representante da oposição da Venezuela.

Numa intervenção, Tarre Briceño voltou ainda a condenar a invasão à Ucrânia e avisou os países-membros da OEA sobre a expansão militar russa na Venezuela e na América Latina.

A Rússia e a Ucrânia são observadores permanentes da OEA.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100.000 deslocados no primeiro dia de combates.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e 'desnazificar'" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Leia Também: Antigo ministro da Venezuela critica apoio de Caracas à Rússia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório