Meteorologia

  • 25 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 23º

Ucrânia: Embaixadores europeus em Angola condenam agressão russa

Os embaixadores europeus em Angola condenaram hoje a agressão militar russa contra a Ucrânia e visitaram o chefe de missão da embaixada ucraniana, Andrei Chornobyskyi, a quem expressaram "apoio inabalável".

Ucrânia: Embaixadores europeus em Angola condenam agressão russa
Notícias ao Minuto

15:11 - 25/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

"Os Embaixadores da Delegação e dos Estados Membros da União Europeia representados em Angola condenam da forma mais veemente possível a agressão militar da Federação Russa contra a Ucrânia", lê-se num comunicado de imprensa da representação europeia em Angola.

Os embaixadores europeus consideram que a Rússia viola "grosseiramente o direito internacional e os princípios da Carta da ONU", com as suas ações militares ilegais, "minando a segurança e a estabilidade europeias e globais".

Em solidariedade com a Ucrânia, os diplomatas visitaram o Chefe de Missão da Embaixada Ucraniana em Angola, Andrei Chornobyskyi, na sua embaixada, "onde expressaram o seu apoio inabalável à independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas".

Os embaixadores lamentaram também a "trágica perda de vidas e o sofrimento humano causados pela agressão russa", solidarizando-se com "mulheres, homens e crianças cujas vidas estão a ser afetadas por este ataque injustificado e injustificável".

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100.000 deslocados no primeiro dia de combates.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Leia Também: PR da África do Sul apela à "mediação" do Conselho de Segurança da ONU

Recomendados para si

;
Campo obrigatório