Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 17º

Zelensky emocionado apela à sociedade civil russa que evite guerra

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, apelou esta quarta-feira diretamente à sociedade civil russa para que impeça uma guerra entre os dois países, num discurso emocionado, em que falou excecionalmente em russo.

Zelensky emocionado apela à sociedade civil russa que evite guerra
Notícias ao Minuto

00:51 - 24/02/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Os russos querem a guerra? Eu adoraria saber a resposta a esta pergunta. E essa resposta depende de vocês, cidadãos da Federação Russa", sublinhou o chefe de Estado ucraniano durante um discurso na madrugada de quinta-feira em Kiev, horas depois de as "repúblicas" de Donetsk e Lugansk, reconhecidas pela Rússia, terem pedido ajuda militar ao Kremlin.

Volodymyr Zelensky disse que os seus pedidos de contacto com o Presidente russo Vladimir Putin, não tiveram resposta, e que a probabilidade de haver uma guerra com a Ucrânia "depende" da Rússia.

"Se o governo russo não vem para a mesa [de negociações] connosco, talvez vá para a mesa com vocês", acrescentou.

Zelensky alertou também que a Rússia concentrou "quase 200.000 soldados e milhares de veículos de combate" na fronteira ucraniana.

O chefe de Estado ucraniano adiantou ainda que a Rússia pode iniciar uma "grande guerra na Europa" nos próximos dias, com o risco de "se tornar o início de uma grande guerra na Europa", alertou no discurso.

Volodymyr Zelensky rejeitou as acusações de Moscovo de que o seu país representa uma ameaça à Rússia e alertou que uma invasão russa custaria dezenas de milhares de vidas, garantindo que a Ucrânia se defenderá de uma agressão.

"Mas se formos atacados, se enfrentarmos uma tentativa de nos tirarem o nosso país, a nossa liberdade, as nossas vidas e a vida de nossos filhos, vamo-nos defender. Quando nos atacarem, verão os nossos rostos, não as nossas costas", assegurou.

Vladimir Putin assinou, na segunda-feira à noite, um decreto que reconhece as autoproclamadas repúblicas de Lugansk e de Donetsk, no Donbass (leste da Ucrânia).

Depois do reconhecimento, Putin autorizou o exército russo a enviar uma força de "manutenção da paz" para Donetsk e Lugansk, fazendo aumentar o receio de uma ofensiva da Rússia no leste da Ucrânia.

O Kremlin anunciou na quarta-feira que os líderes das autoproclamadas repúblicas separatistas pró-Rússia, no leste da Ucrânia, pediram ajuda ao Presidente russo Vladimir Putin para "repelir a agressão" dos militares ucranianos.

O Conselho de Segurança da ONU volta a reunir-se de emergência na madrugada de quinta-feira, a pedido de Kiev, naquele que será o segundo encontro no espaço de três dias.

O Ocidente acusa Moscovo de quebrar os Acordos de Minsk, assinados por Kiev e pelos separatistas pró-russos de Donetsk e Lugansk, sob a égide da Alemanha, França e Rússia.

Estes visavam encontrar uma solução para a guerra entre Kiev e os separatistas apoiados por Moscovo que começou em 2014, pouco depois de a Rússia ter anexado a península ucraniana da Crimeia.

A guerra no Donbass já provocou mais de 14.000 mortos e 1,5 milhões de deslocados desde 2014, segundo as Nações Unidas.

Em 2014, os separatistas declararam a independência dos territórios ucranianos de Donetsk e Lugansk, que a Rússia reconheceu na segunda-feira, numa decisão vista pelo Ocidente como um sinal de uma nova invasão da Ucrânia.

Leia Também: Zelensky mobiliza militares na reserva para reforçarem Exército

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório