Meteorologia

  • 07 OUTUBRO 2022
Tempo
28º
MIN 16º MÁX 29º

Hong Kong vai adiar eleição para chefe do executivo devido a surto

Hong Kong vai adiar a eleição do seu próximo líder executivo, até 08 de maio, numa altura em que o território enfrenta o pior surto de covid-19 desde o início da pandemia, com milhares de novos casos diários.

Hong Kong vai adiar eleição para chefe do executivo devido a surto
Notícias ao Minuto

16:25 - 18/02/22 por Lusa

Mundo Covid-19

A chefe do governo de Hong Kong, Carrie Lam, disse hoje que a eleição vai ser adiada por seis semanas, a contar a partir de 27 de março, já que a sua realização representaria "riscos para a saúde pública".

O líder executivo de Hong Kong, uma região administrativa especial chinesa, é eleito por um comité de apenas 1.462 pessoas, incluindo legisladores, representantes de várias indústrias e profissões e representantes pró-Pequim, como deputados de Hong Kong na Assembleia Nacional Popular da China.

Vários candidatos, incluindo o produtor de cinema Checkley Sin e o empresário Titus Wu, confirmaram a sua intenção de concorrer.

Não é claro se Carrie Lam concorrerá à reeleição.

Lam anunciou também planos para testar toda a cidade de Hong Kong para a doença covid-19.

"Uma das medidas que estamos a preparar, com muita seriedade, é o teste universal obrigatório. Vamos testar toda a gente em Hong Kong", disse a chefe do executivo, em conferência de imprensa.

"Testes obrigatórios e um bloqueio completo da cidade não têm que andar de mãos dadas. Depende da situação real", apontou.

E acrescentou: "No nosso caso, tendo examinado a situação única em Hong Kong, provavelmente faremos testes universais para todos, mas testando mais vezes".

A responsável citou como exemplo Macau, que testou toda a sua população duas vezes para o vírus.

As autoridades de saúde disseram na quinta-feira que os hospitais do território atingiram 90% da sua capacidade e que as instalações de isolamento estão cheias.

Os novos casos diários em Hong Kong ultrapassaram os 2.000 pela primeira vez na segunda-feira. Hoje foram relatadas mais de 3.600 novas infeções locais.

Hong Kong alinha com a política rígida de "zero casos" da China continental, que envolve a quarentena de viajantes oriundos do estrangeiro, medidas de confinamento, rastreamento extenso de contactos e testes em massa de milhões de pessoas.

Lam manteve a mesma estratégia, apesar da maior densidade populacional da cidade e uma economia mais orientada para os serviços do que na China continental.

Na semana passada, todo o bairro de Discovery Bay, em Hong Kong, foi submetido a testes depois de as autoridades encontraram vestígios do vírus no esgoto.

A covid-19 provocou pelo menos 5.848.104 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Leia Também: Hong Kong reduz idade mínima para vacinação contra a Covid-19

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório