Meteorologia

  • 29 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 29º

África quer resultados concretos da cimeira com UE, diz Senegal

A União Africana pretende que da cimeira que realiza esta semana em Bruxelas com a UE saia uma declaração que não seja "vazia de conteúdo", disse hoje à Lusa a embaixadora do Senegal, pais que preside à organização panregional africana.

África quer resultados concretos da cimeira com UE, diz Senegal
Notícias ao Minuto

10:45 - 15/02/22 por Lusa

Mundo Cimeira

Em entrevista à agência Lusa, Fatoumata Binetou Rassoul Correa, citando a chefe da diplomacia senegalesa, Aïssata Tall Sall, considera que no final da cimeira, que decorrerá nos próximos dias 17 e 18, "não se deve terminar com declarações em grande escala, vazias".

"Gostaríamos de ir em direção ao concreto, gostaríamos de saber imediatamente. Como, quais são os termos de uso dos fundos que serão disponibilizados para a África. Concretamente, quais são os setores em que serão aplicados, nos quais trabalharemos", acrescentou.

Fatoumata Rassoul Correa referia-se ao anúncio feito em Dacar no passado dia 10 pela presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, sobre um plano de investimentos para África que mobilizará cerca de 150 mil milhões de euros, o primeiro plano regional no quadro da nova estratégia de investimento da União Europeia.

"Tenho hoje a alegria de anunciar hoje o plano África-Europa no valor de 150 mil milhões de euros. Este é o primeiríssimo plano regional no quadro da 'Global Gateway', a nossa estratégia mundial de investimento, dois meses após o seu lançamento", anunciou Ursula von der Leyen, numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente do Senegal, Macky Sall.

"Achamos que esta é uma excelente iniciativa. Porque precisamente, a União Africana e a União Europeia precisam de fortalecer a sua parceria", considerou a diplomata.

A embaixadora senegalesa recordou que recentemente África realizou cimeiras ao mais alto nível com outros parceiros, como a China e a Turquia.

"Se a União Europeia, que é na realidade formada por um grupo de antigos parceiros africanos, quer participar neste esforço de desenvolvimento económico, achamos que é uma coisa interessante. É realmente uma iniciativa que que permitirá o investimento em várias áreas de alta prioridade para África", adiantou.

Sobre a declaração que Von der Leyen fez antes da deslocação a Dacar, sobre a Europa ser o "parceiro mais fiável e leal de África", Fatoumata Rassoul Correa acredita que se trata de uma "declaração política".

"Eu acredito que esta é uma declaração política. E obviamente, como presidente da Comissão da União Europeia, ela deve dizer 'aqui estamos. Podem contar connosco, não há riscos em fazer negócios com a Europa'", disse.

A solidariedade europeia com África, designadamente na pandemia de covid-19 e a necessidade do continente africano dispor de vacinas em número suficiente, bem como dos meios para a sua produção, foi abordada pela embaixadora senegalesa.

"Na verdade, vimos que houve alguma discriminação durante a pandemia. África não recebeu as alocações que foram feitas na hora, foram dadas várias explicações, atrasos e laboratórios. Muitas explicações. Bem, agora, acho que é uma oportunidade para a África, para que os africanos percebam que precisam de alcançar a soberania sanitária, a soberania farmacêutica e a soberania médica", defendeu.

"Ter infraestruturas para produzir vacinas, não só contra a covid-19, mas também as demais pandemias que estão atormentam África, como a malária, a tuberculose, o VIH/Sida", é uma oportunidade para o continente, destacou.

Leia Também: Presidente guineense viaja para Bruxelas para cimeira UE-África

Recomendados para si

;
Campo obrigatório