Meteorologia

  • 22 MAIO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 23º

Burkina Faso. CEDEAO deve mostrar flexibilidade na reunião de sexta-feira

A consultora Oxford Economics Africa considerou hoje que Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) deve "mostrar flexibilidade" na reunião sobre a crise militar no Burkina Faso, acrescentando que impor sanções pode ter um efeito indesejado.

Burkina Faso. CEDEAO deve mostrar flexibilidade na reunião de sexta-feira
Notícias ao Minuto

11:05 - 27/01/22 por Lusa

Mundo crise militar

"A CEDEAO faria bem em mostrar alguma flexibilidade na sua reação ao golpe, porque se adota uma linha dura e impõe sanções que vão prejudicar a população, vai acelerar ainda mais o afastamento dos principais atores da região, que são geralmente liberais e têm um modelo favorável aos negócios, e arrisca-se a tornar-se mais irrelevante", escrevem os analistas num comentário à cimeira extraordinária da CEDEAO, marcada para sexta-feira.

"Há alguns sinais de que a União Africana pode pressionar nessa direção", acrescentam os analistas na nota enviada aos clientes e a que a Lusa teve acesso, apontando que "o Conselho de Paz e Segurança da UA está disponível para dar às autoridades do Mali um prazo de 16 meses para finalizar a transição para um Governo liderado por civis".

A CEDEAO vai realizar esta sexta-feira uma cimeira extraordinária em formato virtual, para discutir a crise no Burkina Faso, na sequência do golpe militar que derrubou o Presidente Roch Kaboré.

A organização, de que o Burkina Faso é um Estado-membro, condenou na segunda-feira a tomada do poder por oficiais do exército, que mantêm Kaboré detido.

"O golpe coloca mais pressão sobre a CEDEAO numa altura já de si sensível; esta entidade procurou ser firme na sua reação às mudanças inconstitucionais de governo na região, mas as sanções contra o Mali viraram a opinião pública contra a CEDEAO, não apenas no Mali, mas também no Burkina Faso e no Senegal, onde contribuiu para a forte votação dos radicais anti-CEDEAO na eleição municipal de domingo", consideram ainda os analistas.

O golpe militar que destituiu o Presidente, conclui a Oxford Economics Africa, "encoraja os adversários do Ocidente, com o influente empresário russo Yevgeny Prigozhin, que se crê ser o dono da Wagner, uma empresa de mercenários que opera na República Centro-Africana e no Mali, a saudar o golpe como sendo parte de 'uma nova era descolonização' em África".

A cimeira virtual extraordinária da CEDEAO terá início às 10:00 GMT de sexta-feira (mesma hora em Lisboa), afirma-se numa declaração divulgada esta semana.

O Presidente do Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, foi derrubado por um corpo militar liderado por um tenente-coronel, Paul-Henri Sandaogo Damiba, que lidera agora o chamado Movimento Patriótico para a Salvaguarda e Restauração (MPSR).

A insurreição militar começou no domingo em vários quartéis no país, incluindo na capital, Ouagadougou, a seguir a uma manifestação que fez sair à rua milhares de pessoas que protestavam contra insegurança criada pela violência de vários grupos extremistas islâmicos e pela incapacidade das forças armadas do Burkina Faso responderem a um problema que se agrava desde 2015, precisamente o ano da chegada de Kaboré ao poder.

O golpe no Burkina Faso, que sucede aos golpes no Mali e na Guiné-Conacri, foi condenado pela comunidade internacional, que exige a "libertação imediata" do Presidente derrubado.

Josep Borrell, o chefe da política externa da União Europeia, já advertiu que "se a ordem constitucional não for restaurada", haverá "consequências imediatas na parceria [europeia] com o país".

União Africana e ONU condenaram igualmente o golpe de Estado. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse que "os golpes militares são inaceitáveis".

A cimeira extraordinária da CEDEAO na sexta-feira poderá resultar na imposição de sanções ao país.

Na terça-feira de manhã, centenas de manifestantes desceram à Praça da Nação, no coração de Ouagadougou, em apoio aos golpistas.

Leia Também: Burkina Faso. CEDEAO muito preocupada com "tentativa de golpe de Estado"

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório