Meteorologia

  • 28 MAIO 2022
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 27º

"Não tenho intenção absolutamente nenhuma" de me demitir

Afirmação foi proferida esta manhã depois de ser acusado de mentir no âmbito das alegadas festas em Downing Street.

"Não tenho intenção absolutamente nenhuma" de me demitir
Notícias ao Minuto

12:54 - 26/01/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Boris Johnson

O primeiro-ministro britânico submeteu-se hoje à sessão semanal de perguntas no Parlamento, com a polémica 'PartyGate' a gerar ainda muitas criticas e apelos de demissão a Boris.

O líder trabalhista, Keir Starmer, foi o primeiro a colocar o tema em cima da mesa, considerando que um ministro "que mente" deve demitir-se. 

"Se ele enganou o Parlamento, deve demitir-se", considerou, referindo-se à polémica em torno das alegadas festas que aconteceram em Downing Street em plena pandemia, quando as regras do Governo impediam ajuntamentos.

Boris Johnson não deixou o principal líder da oposição sem resposta e garantiu que não tem intenção de demitir-se.

"Não tenho intenção absolutamente nenhuma" em resignar, afirmou, negando-se a comentar o caso por estar a ser investigado pela Justiça.

Em resposta, Keir Starmer disse que um primeiro-ministro alvo de investigação é um "triste espetáculo" e questionou quantos mais danos irá Boris causar ao seu país

As presumíveis festas organizadas em Downing Street durante os períodos de confinamento impostos no âmbito da pandemia, situação que está a colocar sob forte pressão Boris Johnson, estão a ser alvo de uma investigação.

Até agora, a força policial havia rejeitado os pedidos para abrir um inquérito, alegando não existirem provas suficientes para iniciar uma investigação e argumentando que, por princípio, evitava analisar retrospetivamente as violações das restrições.

A mudança de decisão foi conhecida um dia depois de ter sido noticiado que Boris Johnson comemorou o aniversário com cerca de 30 funcionários durante um confinamento, em junho de 2020, quando estes tipos de encontros ainda eram proibidos.

Leia Também: Rússia/Ucrânia. Reino Unido "contribuirá" com a NATO em caso de invasão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório