Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

Forças curdo-sírias recuperam vários edifícios prisionais tomados pelo EI

As Forças Democráticas Sírias (FDS) indicaram hoje terem recuperado o controlo de vários edifícios dentro da prisão onde prisioneiros do grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) permanecem amotinados desde quinta-feira passada, apesar de 550 deles se terem rendido.

Forças curdo-sírias recuperam vários edifícios prisionais tomados pelo EI
Notícias ao Minuto

18:53 - 25/01/22 por Lusa

Mundo Síria

"As nossas forças [FDS] controlam um conjunto de edifícios composto por oito camaratas dentro da prisão de Al Sina, em al-Hasaka (nordeste). A operação de captura [dos amotinados] está em curso", lê-se no comunicado da aliança militar, liderada por curdos-sírios.

As FDS deram também conta de que 250 extremistas se entregaram hoje de manhã durante uma operação das forças curdo-sírias num edifício onde se encontravam entrincheirados, o que aumenta para 550 o total de extremistas islâmicos que se renderam nos últimos seis dias.

No entanto, desconhece-se ainda quantos presos continuam escondidos no centro penitenciário e também quantos conseguiram evadir-se da prisão nos primeiros dias de violência. Antes dos motins, a prisão albergava cerca de 3.500 reclusos de diferentes nacionalidades.

Pelo menos 700 menores permanecem dentro das instalações e estão a ser usados pelos extremistas para evitar um ataque às suas posições, de acordo com o FDS.

A este respeito, em Genebra, a porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, denunciou hoje a situação em que se encontram os menores na prisão de Ghwayran, uma antiga escola convertida em centro penal há três anos, após o EI ter saído derrotado.

"Estamos particularmente preocupados com os relatos de um número significativo de crianças detidas, bem como com a sua segurança e as condições que enfrentam. A detenção de menores deve ser o último recurso e pelo período mais curto possível", disse.

A grande maioria dos detidos em Ghwayran está neste local há dois anos e meio, num vazio jurídico completo, sem possibilidade de ser julgado de forma justa.

A porta-voz insistiu que todas as partes em conflito têm a obrigação de proteger os civis, inclusive no planeamento e execução de operações militares e de segurança, conforme estabelecido pelo direito internacional.

Por outro lado, o escritório da ONU destacou as más condições em que se encontram os presos nas prisões sírias.

"Já alertámos anteriormente sobre o estado precário e inseguro dos centros de detenção administrados pelas FDS, onde os detidos estão em condições de superlotação, não têm acesso a cuidados médicos adequados e não podem ver suas famílias", disse Shamdasani.

A porta-voz também pediu aos países de origem dos prisioneiros de fora da Síria que repatriem os detidos, especialmente mulheres e crianças.

Na noite de quinta-feira, mais de 100 'jihadistas' do EI invadiram a prisão de Ghwayran com camiões bomba e armas pesadas na tentativa de libertar os 'jihadistas' aí detidos, ao que se seguiram violentos confrontos ao longo de vários dias em redor e dentro desta prisão no nordeste da Síria.

Segundo o balanço mais recente, divulgado segunda-feira pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), o número de mortes é de 154 em cinco dias de combates entre forças curdas e 'jihadistas' -- 102 combatentes extremistas, 45 soldados curdos e sete civis. 

O OSDH sublinhou que as FDS, que lideram a luta contra o EI, dominadas pelos curdos e membros da coligação liderada pelos Estados Unidos, consolidaram as posições em torno da prisão, com o objetivo de realizar um ataque, numa altura em que os combates diminuíram de intensidade no domingo à noite.

Os curdos, que controlam regiões do norte e nordeste da Síria, há anos que pedem, em vão, o repatriamento de cerca de 12.000 'jihadistas' de mais de 50 nacionalidades -- europeus e outros -- detidos nas suas prisões.

Desencadeada em março de 2011 pela repressão às manifestações pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa ao longo dos anos com o envolvimento de potências regionais e internacionais e a ascensão dos 'jihadistas'.

Apesar de derrotado em 2019, o EI ainda consegue realizar ataques mortíferos através de "células adormecidas".

JSD // CC

Lusa/Fim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório