Meteorologia

  • 20 MAIO 2022
Tempo
31º
MIN 17º MÁX 34º

Europa recusar financiamento do gás a África é "moralmente indefensável"

O empresário e filantropo anglo-sudanês Mo Ibrahim classificou hoje como "moralmente indefensável" que os países europeus possam recusar financiar projetos de gás em África quando usam gás africano para o seu próprio consumo.

Europa recusar financiamento do gás a África é "moralmente indefensável"
Notícias ao Minuto

00:01 - 21/01/22 por Lusa

Mundo Gás

"Vocês estão a usar o gás africano e negam-nos o uso do gás africano. Isso é moralmente indefensável. As pessoas têm de compreender a profundidade do sentimento em África sobre esse assunto", disse Mo Ibrahim num debate por videoconferência sobre energia e alterações climáticas.

Organizado pela Fundação África-Europa e pela Fundação Mo Ibrahim, o debate foi o primeiro de três que visam antecipar a cimeira União Africana (UA) -- União Europeia (UE), prevista para fevereiro.

No seu discurso de encerramento, o milionário anglo-sudanês, cuja fundação visa apoiar o progresso do continente africano, referia-se à decisão anunciada na cimeira do clima de Glasgow, a COP26, em novembro, de 39 países e agências de desenvolvimento que prometeram parar o financiamento de projetos de combustíveis fósseis no exterior.

A decisão tem sido criticada pelos países africanos, que argumentam que o gás é o mais limpo dos combustíveis fósseis e pode ter um papel na transição energética no continente.

"Achamos um bocadinho estranho que a Europa esteja a chafurdar em gás russo, gás africano, projetos de gás em todo o lado, e quando se trata de África dizem não, não, não, não vamos financiar gás aí", disse o filantropo.

No mesmo debate, a secretária-executiva da Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), Vera Songwe, lamentou que, embora a energia seja um equalizador, esteja a ser transformada num agente de desigualdade "quando se diz aos africanos para não usarem parte da sua energia para tornarem o seu continente mais próspero".

A responsável lembrou que em novembro do ano passado a Europa viveu "uma enorme crise" quando os preços do gás quadruplicaram e recordou que em Moçambique, onde se vive uma crise e o crescimento económico está em queda, ainda se produz gás para consumo na Europa.

"Como é que um moçambicano que não tem acesso energia -- só 17% o têm -- vê as empresas europeias a continuar a explorar o gás para levar para a Europa quando os europeus dizem aos africanos para não produzirem mais gás", exemplificou.

Vera Songwe sublinhou que o gás permite reduzir o custo da energia e garantir mais investimento para África e acrescentou que a questão das alterações climáticas não se coloca: "Quando produzimos mais gás reduzimos a produção de emissões de carbono em quase 38%".

A cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE e da UA, a sexta, inicialmente marcada para 2020, está agendada para fevereiro em Bruxelas, depois de sucessivos adiamentos devido à pandemia da covid-19.

Leia Também: Moldávia declara estado de emergência após crise do gás com a Gazprom

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório