Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

EUA admitem que Rússia pode duplicar número de tropas na fronteira

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse hoje que a Rússia mobilizou quase 100.000 soldados na fronteira com a Ucrânia e que pode duplicar a sua presença militar muito rapidamente.

EUA admitem que Rússia pode duplicar número de tropas na fronteira
Notícias ao Minuto

16:40 - 19/01/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"A Rússia concentrou quase 100.000 soldados na fronteira ucraniana, (um número) que pode duplicar num tempo relativamente curto", disse Blinken numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo ucraniano, Dmitri Kuleba.

Tropas russas chegaram hoje à Bielorrússia para exercícios militares conjuntos, um sinal "preocupante", segundo Washington, que denuncia a existência de outras manobras perto da fronteira ucraniana.

Blinken - que se reunira horas antes com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky - acusou a Rússia de usar todos os meios "no seu manual" para desestabilizar o país vizinho desde 2014, primeiro com a anexação da península da Crimeia e depois com a guerra no Donbass.

"A agressão russa até agora matou mais de 14.000 homens, mulheres e crianças ucranianas, e deixou 1,5 milhões de ucranianos sem abrigo", denunciou o chefe da diplomacia dos EUA, que apontou o dedo a Moscovo por continuar a "alimentar" o conflito no leste da Ucrânia, onde o Kremlin apoia as forças separatistas em Donetsk e Lugansk.

Além de apoiar a democracia e o "direito de soberania" da Ucrânia, Washington também pretende continuar ajudando Kiev a defender-se, aumentando a ajuda financeira para fins militares, ao longo deste ano.

"Temos dado assistência de segurança de forma consistente, incluindo suprimentos nas últimas semanas. Demos mais assistência de segurança à Ucrânia no ano passado do que em qualquer outro momento desde 2014", explicou Blinken.

O secretário de Estado norte-americano prometeu ainda que, "se a Rússia prosseguir com a sua intenção de invadir a Ucrânia, forneceremos material adicional, além do que já está em curso".

Ao aterrar em Kiev, Blinken já tinha dito que, com os planos russos de enviar mais tropas para a fronteira com a Ucrânia, o Presidente russo, Vladimir Putin, fica com a capacidade de atacar o país vizinho em "muito pouco tempo".

Blinken chegou hoje a Kiev, no âmbito de uma digressão europeia que inclui uma escala em Berlim e um encontro em Genebra, na sexta-feira, com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, com quem falou na terça-feira, por telefone, para lhe demonstrar o "inabalável" compromisso com a integridade territorial da Ucrânia.

Hoje, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Ryabkov -- que liderou as negociações de segurança com os EUA, em Genebra -- reafirmou que Moscovo não tem intenções bélicas face à Ucrânia.

O Ministério da Defesa russo admitiu hoje que algumas das suas tropas já chegaram à Bielorrússia, para manobras militares que decorrerão até 20 de fevereiro.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, repetiu hoje o "forte apoio" da Aliança Atlântica à Ucrânia, durante uma conversa telefónica com Zelensky, assegurando que não se comprometerá com as exigências da Rússia.

"Falei com o Presidente Zelensky para expressar o forte apoio da NATO à Ucrânia, perante a ameaça russa", disse Stoltenberg, na sua conta da rede social Twitter, acrescentando que a NATO continuará a pressionar Moscovo para reduzir a escalada de tensão nas fronteiras ucranianas.

Stoltenberg recordou que, como anunciou na terça-feira em Berlim, a NATO está disposta a "envolver-se em mais diálogo com a Rússia", mas sem "comprometer os princípios-chave" da organização.

Leia Também: Ex-presidente ucraniano em liberdade apesar da acusação de "alta traição"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório