Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
26º
MIN 14º MÁX 26º

ONU exige fim dos ataques aos 'media' no Sudão

As Nações Unidas exigiram hoje ao Governo militar do Sudão que ponha fim aos ataques contra jornalistas após a "detenção arbitrária" de trabalhadores da televisão Al Arabiya e a retirada da acreditação à Al-Jazeera.

ONU exige fim dos ataques aos 'media' no Sudão
Notícias ao Minuto

16:15 - 18/01/22 por Lusa

Mundo Sudão

O Governo sudanês retirou no sábado a acreditação ao canal de 24 horas Al-Jazeera Mubasher, acusando-a de "cobertura não-profissional" dos protestos populares contra o golpe militar de 25 de outubro.

Segundo o alto comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em 13 de janeiro as forças armadas sudanesas entraram também no escritório do canal Al Arabyia na capital, Cartum, e detiveram arbitrariamente quatro funcionários que cobriam os protestos desde a varanda do edifício.

A porta-voz do alto comissariado, Ravina Shamdasani, denunciou os factos e exigiu às autoridades sudanesas que parem de perseguir os meios de comunicação social para garantir o pleno respeito dos direitos à liberdade de expressão e de reunião pacífica.

"Os jornalistas e as organizações de comunicação social devem poder realizar o seu trabalho crucial livremente e a salvo de qualquer acosso ou intimidação", acrescentou.

Shamdasani mostrou também preocupação pelas sete mortes e dezenas de feridos nos protestos de segunda-feira contra o governo militar sudanês, nas quais as forças de segurança usaram munições reais para dispersar os manifestantes.

"Mais de 25% dos feridos foram atingidos diretamente por latas de gás lacrimogéneo. Preocupa-nos a possibilidade de as forças de segurança estarem a disparar as latas em posição horizontal, dirigidos contra pessoas, em violação das normas internacionais", denunciou a porta-voz.

"Devem ser realizadas investigações exaustivas, rápidas e independentes, e as autoridades têm o dever de garantir que os autores de violações de direitos humanos são levados à justiça", acrescentou.

As estatísticas do Comité Central de Médicos do Sudão apontam para 71 mortos (17 já este ano) e mais de 2.200 feridos pelas forças de segurança durante os protestos desde o golpe de Estado de 25 de outubro.

O Sudão vive um impasse político desde o golpe militar de 25 de outubro de 2021, que ocorreu dois anos após uma revolta popular, protagonizada já então pelos comités de resistência, para remover o autocrata Omar al-Bashir e o seu Governo islamita em abril de 2019.

Sob pressão internacional, os militares reinstalaram em novembro o primeiro-ministro deposto no golpe, Abdalla Hamdok, para liderar um Governo tecnocrata, mas o acordo não envolveu o movimento pró-democracia por detrás do derrube de Al-Bashir.

Desde então, Hamdok não conseguiu formar Governo perante protestos incessantes, não só contra o golpe de Estado, mas também contra o seu acordo com os militares e acabou por se demitir em 02 de janeiro.

As Nações Unidas preveem que 30 por cento dos sudaneses vão precisar de ajuda humanitária este ano.

Leia Também: Cem jornalistas mortos desde 2020 no México

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório