Meteorologia

  • 28 MAIO 2022
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 26º

Presidente da África do Sul defende Constituição após ataques de ministra

O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, defendeu hoje a Constituição da República e o Estado de Direito do país, na sequência de declarações polémicas da ministra do Turismo, Lindiwe Sisulu, que dividiram o Governo sul-africano e a Justiça.

Presidente da África do Sul defende Constituição após ataques de ministra

Na sua newsletter semanal, o chefe de Estado sul-africano ressalvou a "necessidade de proteger a Constituição, o Estado democrático e o processo eleitoral contra quem pretender enfraquecer a democracia" do país.

"Devemos proteger-nos contra todo e qualquer esforço para diminuir a nossa duramente conquistada democracia -- sejam tentativas na forma de corrupção em empresas estatais, a subversão das nossas agências da lei, a sabotagem da nossa infraestrutura económica ou ataques à independência e integridade do nosso judiciário", escreveu o chefe de Estado, sem mencionar diretamente a governante, na página oficial da Presidência da República sul-africana.

Lindiwe Sisulu, de 67 anos, que pretende contestar a liderança do Congresso Nacional Africano (ANC, no poder desde a queda do apartheid em 1994), questionou a Carta Magna do país, afirmando que "não é a Sagrada Escritura".

"A Constituição estabelece efetivamente altos padrões para a nossa vida democrática", mas "não é o Evangelho", escreveu a ministra sul-africana no domingo, salientando que pode ser "aberta à discussão, debate e crítica".

Sisulu, que é filha do ativista anti-apartheid e antigo fundador do ANC Walter Sisulu, questionou ainda se a Constituição da República fez o suficiente para lidar com os problemas estruturais que o país herdou do anterior regime.

A polémica no seio do partido no poder na África do Sul dividiu o executivo de Ramaphosa, depois de Sisulu ter criticado também o sistema judicial do país e o ministro da Justiça e Serviços Correcionais, Ronald Lamola.

"Nos escalões superiores do nosso sistema judicial estão aqueles africanos mentalmente colonizados, que adotaram a visão do mundo e a mentalidade daqueles que desapropriaram seus ancestrais", declarou a ministra Sisulu, citada pela imprensa local.

"Referir-se aos funcionários de Justiça com afirmações raciais grosseiras não pode passar como um debate", respondeu Lamola.

Leia Também: África do Sul insta população a notificar efeitos adversos de vacinas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório