Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 24º

Corno de África. Agricultores afetados pela seca precisam de ajuda

Mais de 1,5 milhões de agricultores e pastores afetados pela seca no Corno de África precisam de "assistência urgente" para evitar "uma crise de fome", alertou hoje a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Corno de África. Agricultores afetados pela seca precisam de ajuda
Notícias ao Minuto

10:57 - 17/01/22 por Lusa

Mundo África

A agência com sede em Roma estima que são necessários 138 milhões de dólares (120 milhões de euros) em "financiamento urgente" para uma região "já propensa à insegurança alimentar" e onde, após três anos de chuvas fracas, uma praga da gafanhotos em 2020-21, e os efeitos da pandemia de covid-19 exauriram a capacidade de resposta das comunidades rurais até ao limite, minando a respetiva produtividade agrícola.

Na Etiópia, Quénia e Somália, os países mais afetados, as projeções indicam que cerca de 25,3 milhões de pessoas irão enfrentar uma grave crise de insegurança alimentar até meados de 2022, situação que, a concretizar-se, colocará o Corno de África entre as regiões do mundo mais frágeis do ponto de vista alimentar, alertou hoje a FAO através de um comunicado.

"Sabemos por experiência que apoiar a agricultura em momentos como este tem um enorme impacto: quando agimos rapidamente e no momento certo para conseguir água, sementes, rações, cuidados veterinários e o dinheiro necessário às famílias rurais em risco, as catástrofes da fome podem ser evitadas", afirmou Rein Paulsen, diretor para as situações de Emergência e Resiliência da FAO, citado no comunicado.

"O momento certo é agora. Precisamos urgentemente de apoiar os pastores e as explorações agrícolas no Corno de África, imediatamente, porque o ciclo das estações não espera por ninguém", acrescentou.

Em 2011, uma grave seca contribuiu para um surto de fome na Somália que matou 260.000 pessoas, a maioria das quais antes de a declaração oficial de fome ter sido produzida. Em contrapartida, em 2017, a fome potencial associada à seca pôde ser evitada graças a um esforço internacional concertado que permitiu a ação atempada, tendo sido dada prioridade à ajuda às comunidades rurais.

"O relógio já está a contar", advertiu Paulsen, observando que "a escassez que acaba de começar caracteriza-se por oportunidades limitadas de pastoreio para as famílias de pastores, e o gado necessitará de apoio nutricional e veterinário".

"As famílias dependentes da agricultura, por outro lado, precisam de ter sementes e outros mantimentos à mão para iniciar a época de plantio", acrescentou.

O plano de resposta à seca da FAO visa apoiar 1,5 milhões de pessoas das populações rurais mais vulneráveis da Etiópia, Quénia e Somália.

Se fosse totalmente financiado, produziria até 90 milhões de litros de leite e até 40.000 toneladas de culturas alimentares básicas na primeira metade de 2022, colocando mais de um milhão de pessoas em segurança durante pelo menos seis meses.

Leia Também: PAICV adia congresso para abril devido à pandemia em Cabo Verde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório