Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2022
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

Alemanha apoia França na proposta de novo Pacto para as Migrações na UE

A ministra alemã do Interior, Nancy Faeser, anunciou hoje que o seu Governo apoia a proposta da França de desbloquear as negociações para o novo Pacto para as Migrações e Asilo na União Europeia, com avanços "passo a passo".

Alemanha apoia França na proposta de novo Pacto para as Migrações na UE

"Podemos imaginar que, no caminho para um sistema comunitário de asilo, uma coligação de Estados anfitriões dispostos a acolher nos ajudaria a fazer progressos", disse Faeser numa conferência de imprensa conjunta com a comissária europeia do Interior, Ylva Johansson, em Berlim.

Segundo a ministra, a crise migratória na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia mostra que a União Europeia (UE) precisa de um sistema de asilo "eficiente e resiliente", razão pela qual o seu governo, que pretende abordar a questão com um novo "espírito", vê a necessidade de uma reforma "fundamental".

Apresentada em setembro de 2020 pela Comissão Europeia, a proposta do Novo Pacto europeu para a Migração e Asilo mantém-se ainda em negociações no seio do bloco comunitário.

França tem este semestre a presidência rotativa do Conselho da UE e Faeser declarou apoio à "ideia da presidência francesa de avançar passo a passo com a reforma", que considerou "uma oportunidade para desbloquear frentes endurecidas e chegar a compromissos".

O facto de alguns Estados-membros se oporem à mudança não deve ser suficiente para a fazer falhar, disse Faeser, que defendeu que, em certos pontos, um "núcleo" de países dá um passo em frente para que outros sigam o exemplo mais tarde.

O governo do chanceler alemão Olaf Scholz, uma coligação tripartida de sociais-democratas, Verdes e Liberais, pretende cumprir as suas responsabilidades em termos de direitos humanos, de proteção dos refugiados e de combate às causas dos deslocamentos, adiantou.

A Alemanha, referiu, também espera que um sistema de asilo da UE contenha medidas para reduzir a migração irregular e que seja formada uma frente europeia comum para negociar o regresso de migrantes rejeitados a países terceiros.

Por seu lado, Johansson expressou a esperança de que, durante a presidência do Conselho da UE, a França consiga fazer progressos "na negociação política" do Pacto e salientou que, para isso, é essencial uma "estreita cooperação" entre a França e a Alemanha.

Leia Também: Migrações: Sánchez e Macron unidos face a necessidade de pacto europeu

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório