Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2022
Tempo
14º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Costa Concordia. Acidente que chocou Itália aconteceu há 10 anos

O Costa Concordia tombou há 10 anos. O que aconteceu ao capitão que fugiu do cruzeiro assim que percebeu que ele ia afundar?

Notícias ao Minuto

10:00 - 13/01/22 por Marta Amorim 

Mundo Costa Concordia

Já passaram 10 anos desde que o gigantesco Costa Concordia afundou. A história marcada por mais de 30 mortos, um capitão em fuga e um navio tombado chocaram Itália e o mundo. O cruzeiro tinha a bordo cerca de 4200 pessoas, quase o dobro do mítico Titanic, em 1912. Morreram 32 pessoas e 64 ficaram feridas. 

O cruzeiro virou na costa da Isola del Giglio, a 13 de janeiro de 2021, após uma manobra mal medida do capitão Francesco Schettino - o mesmo que se colocou em fuga. A embarcação chocou com um aglomerado de rochas, perfurando o casco. O choque provocou um corte na corrente elétrica, que afetou o gerador que existia dentro do barco.  Morreram 32 pessoas e 64 ficaram feridas.

Os sobreviventes foram sendo acolhidos pelos locais que lhes deram guarida e roupas até que pudessem retornar aos seus países, relembra a Euronews

Schettino abandonou o barco. Segundo ele, foi projetado para o mar com o choque e como tinha capitão substituto dentro da embarcação, disse achar não ser sensato voltar.

Mais tarde, soube-se que o ex-capitão esteve em contacto com a Guarda Costeira, que o ordenou a voltar ao cruzeiro, o que não aconteceu. Depois do acidente, Schettino foi afastado de funções e ficou em prisão domiciliária. Posteriormente, em entrevista, assumiu culpas e pediu desculpa ao povo italiano. Durante o julgamento de Schettino, alguns tripulantes disseram que a manobra perigosa foi feita para chamar a atenção de uma dançarina moldava com quem teria um caso extraconjugal.

Schettino foi julgado e condenado a 16 anos de prisão por homicídio, naufrágio e por ter abandonado o navio. Cumpre pena em Rebobbia, Roma, e diz-se estar deprimido. Terá até pedido uma garrafa de água do mar por sentir falta da brisa. Segundo o La Stampa, é um preso modelo, estuda direito e jornalismo e até colabora com o jornal do estabelecimento prisional.  

O navio só viria a ser retirado de água dois anos e meio depois. Depois de ser retirado, foi rebocado até ao porto de Génova e aí desmontado. 

Leia Também: Regulador do Brasil recomenda "suspensão" da temporada de cruzeiros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório