Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

Presidente do Egito critica forma como a Europa lida com crise migratória

O Presidente do Egito criticou hoje a forma como a Europa lida com a crise migratória e a sua rejeição em receber refugiados que chegam às suas fronteiras, dizendo que o seu país já recebeu milhões de migrantes.

Presidente do Egito critica forma como a Europa lida com crise migratória

Abdel Fattah el-Sissi disse que o Egito abriga pelo menos seis milhões de pessoas que fugiram do conflito e da pobreza dos seus países de origem, afirmando que o seu governo, ao contrário de alguns de outros países, não mantém os migrantes em campos de refugiados, permitindo que vivam livremente na comunidade.

"Estou a falar de números grandes, não de cinco ou 10 mil, [que] os nossos amigos na Europa se recusam a acolher", disse El-Sissi.

Durante anos, pessoas que fugiam da guerra e da pobreza no Médio Oriente faziam viagens perigos pelos mares Mediterrâneo e Egeu, procurando segurança e uma vida melhor na Europa Ocidental.

O Egito tem sido há décadas um refúgio para migrantes da África subsaariana que tentam escapar da guerra ou da pobreza. Para alguns, o Egito é um destino e um refúgio, o país mais próximo e mais fácil para entrarem. Para outros, é um ponto de passagem antes de tentar a perigosa travessia do Mediterrâneo para a Europa.

O chefe de Estado egípcio disse que o seu governo reforçou a segurança nas fronteiras nos últimos anos e conseguiu evitar que o Egito se torne um ponto de partida para migrantes que fogem de conflitos e da pobreza na África e no Médio Oriente.

"Não permitimos que as pessoas usem o Egito como um ponto de passagem onde as pessoas cruzam para o desconhecido e enfrentam um destino muito duro no Mediterrâneo enquanto migram para a Europa", observou.

Os cometários de El-Sissi surgiram numa conferência internacional de jovens, Fórum Mundial da Juventude", que o Egito organiza na cidade de Sharm el-Sheikh, no mar Vermelho.

Com restrições e segurança apertada nas fronteiras mediterrâneas da Europa, surgiu uma nova rota para os migrantes alcançarem a União Europeia (UE) através das florestas e dos pântanos da Europa Oriental.

Nos últimos meses, cidadãos do Iraque, Síria e outros países voaram para Minsk, capital da Bielorrússia, com vistos de turista e depois viajaram de carro -- muitos aparentemente auxiliados por contrabandistas -- até à fronteira.

Os três países da União Europeia (UE) que fazem fronteira com a Bielorrússia -- Polónia, Lituânia e Letónia -- acusam o Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, de agir para desestabilizar as populações.

A Polónia negou a entrada de milhares de migrantes e recusou-se a deixá-los a solicitar asilo, violando as convenções internacionais de direitos humanos. O país tem sido criticado por grupos de direitos humanos.

Leia Também: Migrações: Médicos Sem Fronteiras denunciam prisão de centenas na Líbia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório