Meteorologia

  • 27 MAIO 2022
Tempo
32º
MIN 15º MÁX 34º

Myanmar: ONG denuncia exportação de madeira para EUA apesar de sanções

Cerca de 1.600 toneladas de teca birmanesa foram exportadas para empresas norte-americanas no ano passado, em violação das sanções impostas por Washington após o golpe contra Aung San Suu Kyi, denunciou hoje a ONG Justice for Myanmar.

Myanmar: ONG denuncia exportação de madeira para EUA apesar de sanções
Notícias ao Minuto

12:10 - 11/01/22 por Lusa

Mundo Myanmar

Segundo a organização não governamental, 82 remessas daquela madeira chegaram aos Estados Unidos entre fevereiro e final de novembro de 2021.

O material serve principalmente para "pranchas e madeiras usadas para construção naval, decks para o ar livre e móveis", refere a Justice for Myanmar, que considera "provável que uma quantidade ainda maior" seja exportada para os Estados Unidos "através de países terceiros, como a China".

A junta militar birmanesa levou a cabo um golpe de Estado em 01 de fevereiro de 2021 e reprimiu violentamente os movimentos civis de protesto, levando Washington a adotar sanções direcionadas contra os militares, entre as quais a proibição de empresas norte-americanas de importarem teca birmanesa.

A Myanmar Timber Enterprise (MTE), a empresa madeireira nacional, está, de facto, nas mãos dos generais e representa uma receita muito importante.

A Justice For Myanmar pede a Washington que verifique se as sanções são aplicadas de facto e pede que seja proibida a importação de todos os tipos de madeira.

"Os Estados Unidos têm o poder de cortar esse fluxo financeiro para a junta (...) e apoiar a luta do povo birmanês para acabar com a tirania", explica a ONG.

Myanmar (antiga Birmânia) continua a ser uma das últimas reservas de teca do mundo, uma madeira preciosa altamente valorizada pela sua resistência e estética, fonte fundamental de receita do exército.

No entanto, segundo a organização Global Forest Watch, o país perdeu quatro milhões de hectares de floresta entre 2001 e 2020, o equivalente à área da Suíça.

O exército justificou o seu golpe de Estado alegando fraude nas eleições de 2020, vencidas pela Liga Nacional para a Democracia, de Aung San Suu Kyi.

Desde então, mais de 1.400 civis foram mortos pelas forças de segurança, de acordo com a ONG Associação de Assistência a Presos Políticos.

Leia Também: Líder deposta Aung San Suu Kyi condenada a mais quatro anos de prisão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório