Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 24º

Ativista egípcio-palestiniano Ramy Shaath libertado no Egito

O ativista político egípcio-palestiniano Ramy Shaath, de 48 anos, detido no Egito há mais de dois anos, foi libertado, revelou hoje fonte judicial.

Ativista egípcio-palestiniano Ramy Shaath libertado no Egito
Notícias ao Minuto

21:51 - 03/01/22 por Lusa

Mundo Egito

Ramy Shaath foi uma das figuras da revolução egípcia em 2011 e é coordenador no Egipto do movimento Boicote, Desinvestimento, Sanções (BDS), que defende o boicote a Israel e a luta contra a ocupação dos territórios palestinianos.

O egípcio-palestiniano tinha sido detido em julho de 2019, acusado de fomentar "revoltas contra o Estado".

Uma fonte judicial referiu à AFP que o ativista político foi libertado por decisão do procurador-geral, sem dar mais detalhes.

Céline Lebrun, mulher francesa do ativista, que foi deportada para Paris após a prisão de Ramy Shaath, revelou à AFP que o marido ainda não foi libertado.

"Faremos um comunicado quando ele estiver cá fora e no avião", acrescentou.

Em dezembro, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês,  Anne-Claire Legendre, salientou que a situação de Shaath estava a ser "monitorada de perto e regularmente discutida, inclusive ao mais alto nível".

Também em dezembro, cinco organizações de direitos humanos questionaram o Presidente de França Emmanuel Macron sobre o destino deste ativista, que é filho de um político palestiniano, Nabil Shaath.

Um ano antes, durante uma visita do Presidente do Egipto Abdel Fattah al-Sisi a Paris, o chefe de Estado francês tinha revelado que manteve uma conversa com o homólogo egípcio sobre "casos individuais", incluindo o de Ramy Shaath.

Outro ativista egípcio de direitos humanos, o investigador Patrick Zaki, devia ter sido libertado em meados de dezembro, após 22 meses de detenção, mas ainda pode ser condenado até cinco anos de prisão por "informações falsas" devido a um artigo em que denuncia discriminações sofridas.

O Egito, que tem mais de 60.000 prisioneiros de consciência, segundo várias ONG, viola os direitos humanos em todas as áreas, razão pela qual Washington congelou 10% da ajuda ao país.

No seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos no mundo, o Departamento de Estado norte-americano cita "execuções extrajudiciais", "tortura", "desaparecimentos forçados", "detenções arbitrárias", "censura", "violações aos direitos de reunião e associação", "violência anti-LGBT" e "trabalho infantil forçado".

Segundo o documento, todas as violações ocorrem "num ambiente de impunidade" criado pelas próprias autoridades egípcias, que não sancionam os responsáveis.

Leia Também: Egipto. Cerimónia extravagante reabre Avenida das Esfinges de 3 mil anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório