Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

Autoridades de Xian admitem dificuldades no abastecimento da cidade

As autoridades chinesas admitiram hoje dificuldades no fornecimento de alimentos e outros bens essenciais aos residentes em confinamento da cidade de Xian, que denunciaram a escassez de produtos e apelaram à ajuda nas redes sociais.

Autoridades de Xian admitem dificuldades no abastecimento da cidade
Notícias ao Minuto

14:10 - 29/12/21 por Lusa

Mundo Covid-19

Os 13 milhões de residentes da cidade - famosa pelo exército de terracota do primeiro imperador da China - estão em confinamento domiciliário desde quinta-feira passada, devido a um surto de covid-19, com autorização para sair apenas uma vez de três em três dias para se abastecer.

A medida foi agravada na segunda-feira, com muitos residentes de Xian a receberem ordem para não sair de casa exceto para realizar testes ao vírus que provoca a doença covid-19.

Na terça-feira, muitos dos residentes da cidade do centro da China procuraram ajuda nos meios de comunicação social, queixando-se de dificuldades em conseguir alimentos e outros bens essenciais.

Os funcionários da cidade reconheceram hoje, numa conferência de imprensa, que "dificuldades logísticas e uma distribuição de pessoal deficiente" criaram perturbações no abastecimento da população.

Um elemento do governo local disse aos jornalistas que as autoridades mobilizaram empresas para intensificar as distribuições e que foi decretado o supervisionamento dos mercados grossistas e supermercados.

"Estamos a fazer o nosso melhor para ajudar a resolver o problema do pessoal e a emitir passes de veículos para assegurar o fornecimento de bens de primeira necessidade", disse Chen Jianfeng, citado pela agência de notícias France-Presse.

No entanto, algumas pessoas continuavam hoje a manifestar o seu descontentamento por continuarem a enfrentar dificuldades em conseguir bens.

"Como é que vivemos? O que estamos a comer? Há alguns dias podíamos sair uma vez para comprar mercearias, mas isso foi cancelado... todas as aplicações 'online' ou estão esgotadas ou sem prazo de entrega", lamentou um residente na rede social Weibo.

A China adotou a estratégia "covid zero" para enfrentar a pandemia, que envolve restrições fronteiriças rigorosas e contenções específicas desde que o vírus apareceu pela primeira vez no centro do país, em finais de 2019.

Xian registou mais de 960 casos de infeção desde 09 de dezembro, um pequeno número em comparação com o surto na Europa ou nos Estados Unidos, mas que desencadeou estas medidas de controlo rigorosas no âmbito da política "covid zero".

As autoridades também prenderam pelo menos sete pessoas na cidade por tentarem contornar a quarentena, perturbar a ordem e espalhar rumores, de acordo com os meios de comunicação locais.

O novo surto surge quando Pequim se prepara para receber milhares de visitantes estrangeiros para os Jogos Olímpicos de Inverno em fevereiro.

Desde o início da pandemia, a China registou 101.683 casos da doença covid-19 e 4.636 mortos.

A nível mundial, a covid-19 matou mais de 5,4 milhões de pessoas desde que o coronavírus SARS-CoV-2 que provoca a doença respiratória foi detetado na China, no final de 2019.

Leia Também: AO MINUTO: Israel pondera contágio em massa; Açores batem novo recorde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório