Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Milhares fogem dos Camarões e refugiam-se no Chade devido a violência

Milhares de pessoas estão em fuga desde quarta-feira da parte norte dos Camarões para o vizinho Chade devido à violência intercomunitária, que provocou pelo menos quatro mortos, revelaram hoje fontes do governo local camaronês e da Cruz Vermelha chadiana.

Milhares fogem dos Camarões e refugiam-se no Chade devido a violência
Notícias ao Minuto

23:23 - 09/12/21 por Lusa

Mundo Chade

Em declarações à televisão estatal CRTV, Jean-Lazare Ndongo Ndongo, adjunto do governo regional, os confrontos entre pescadores e pastores em Kousséri, na região de Logone-et-Chari, provocaram pelo menos quatro mortos.

"Apesar do dispositivo de segurança criado, um grupo logrou infiltrar-se na cidade (...), saqueou cerca de 20 estabelecimentos comerciais e quatro pessoas morreram", acrescentou.

Segundo Khala Ahmat Senoussi, presidente da Cruz Vermelha chadiana, vários milhares de pessoas fugiram da violência e cruzaram o rio Chari para se refugiaram no Chade, perto da capital N'Djamena.

Fonte policial chadiana, que pediu para não ser identificada, disse "há pelo menos 3.000 refugiados e este número deve mudar", acrescentando que "os refugiados continuam a chegar, alguns por meio de embarcações".

Segundo Jean-Lazare Ndongo Ndongo, os pescadores mousgoum, "vindos de toda o lado", atacaram nalgumas zonas do extremo norte dos Camarões bairros habitados principalmente por pastores árabes choa.

Em Kousséri, "os mousgoums atacaram com flechas e os árabes reagiram", disse, sob anonimato, um funcionário de uma organização não-governamental local à agência France-Presse.

Um correspondente local da agência noticiosa disse ter visto muitos refugiados, apenas com colchões, a aguardar na floresta perto de N'Djamena.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, o presidente da junta governante no Chade, Mahamat Idriss Déby Itno, falou de uma "situação preocupante" e pediu "à comunidade internacional que aja prontamente para fornecer a assistência necessária e urgente a esses novos refugiados".

Em agosto, 12 pessoas morreram e 48 ficaram feridas em confrontos intercomunitários entre pescadores e pastores, também na zona norte dos Camarões.

Os confrontos entre as duas comunidades eclodiram após disputas sobre a gestão e acesso à água, disseram as autoridades.

Os confrontos com vítimas mortais entre grupos étnicos são relativamente raros nos Camarões, mas frequentes no Chade e na Nigéria, especialmente entre fazendeiros sedentários e pastores seminómadas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório