Meteorologia

  • 16 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 7º MÁX 16º

Edição

Presidente da Tanzânia destaca avanços nos direitos civis

A Presidente da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan, saudou hoje o progresso do seu país durante as comemorações dos 60 anos de independência do colonato britânico, em 1961, que enfrenta agora uma conjuntura de preocupações crescentes face aos direitos civis.

Presidente da Tanzânia destaca avanços nos direitos civis
Notícias ao Minuto

14:13 - 09/12/21 por Lusa

Mundo Samia Suluhu Hassan

A antiga colónia britânica conhecida como Tanganica ganhou a independência antes de se tornar oficialmente Tanzânia, após a fusão com Zanzibar três anos mais tarde em 1964.

A Tanzânia adotou uma democracia multipartidária em 1992, mas os últimos anos têm sido marcados por numerosos abusos de liberdade aos seus cidadãos, particularmente sob a administração do antecessor de Hassan, John Magufuli, que esteve no poder entre 2015 e 2021.

"O sucesso que tivemos nos últimos 60 anos de independência foi possibilitado por uma administração democrática e pelo Estado de Direito", declarou Samia Suluhu Hassan num discurso à nação na noite de quarta-feira.

"O nosso país [estabeleceu] um sistema que permite aos cidadãos exercer a sua liberdade de expressão sem quaisquer restrições", disse, observando que o número de meios de comunicação aumentou de um em 1961 para centenas hoje.

Samia Suluhu Hassan tornou-se a primeira mulher líder da Tanzânia em março após a morte súbita de John Magufuli, de quem foi vice-presidente.

A Presidente mostrou sinais de rutura com o seu antecessor, apelidando-o de "o bulldozer", pelo seu estilo autoritário, dizendo que estava pronta a defender a democracia e as liberdades fundamentais.

Todavia, a detenção no final de julho do líder do principal partido da oposição, Freeman Mbowe, acusado de "terrorismo", lançou dúvidas sobre as suas intenções e alguns dos seus críticos descrevem-na abertamente como uma "ditadora".

A investigadora do Instituto de Estudos de Segurança (ISS) Ringisai Chikohomero afirmou que Samia Suluhu Hassan está presa pela sua dependência dos apoiantes do Magufuli no Chama Cha Mapinduzi (CCM), o partido no poder desde a independência.

"Ela ainda tem de construir a sua própria base de apoio", disse a investigadora à agência de notícias France-Presse (AFP).

"Tem de cumprir a linha do partido ou pode ser expulsa", explicou.

Num movimento que vai contra o Magufuli, a chefe de Estado reabriu alguns meios de comunicação proibidos, trouxe um crítico do seu antecessor para o Governo e inverteu a proibição de raparigas grávidas e mães adolescentes irem à escola.

Lançou também uma campanha de vacinação contra a covid-19, enquanto Magufuli tinha constantemente minimizado o impacto do coronavírus e se recusava a tomar medidas para conter a pandemia.

Porém, o seu "espaço de manobra dentro do CCM é bastante limitado", concluiu a investigadora.

As divisões internas do partido tornaram-se públicas no sábado, quando Hassan acusou alguns rivais de tentarem difamar a sua liderança com acusações de corrupção.

Em agosto, o Governo suspendeu um jornal de propriedade do CCM por publicar um artigo dizendo que Hassan não se candidataria às eleições de 2025.

Leia Também: Presidente da Tanzânia defende qualidade da democracia no país

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório