Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Rússia inicia entrega de mísseis de longo alcance à Índia

A Rússia iniciou a entrega de mísseis de longo alcance, integrados no sistema de defesa aérea S-400, à Índia, adiantou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros indiano durante uma visita do Presidente russo, Vladimir Putin, a Nova Deli.

Rússia inicia entrega de mísseis de longo alcance à Índia
Notícias ao Minuto

23:51 - 06/12/21 por Lusa

Mundo Defesa

"As entregas começaram este mês e vão continuar", disse Harsh Vardhan Shringla, referindo-se ao contrato de mais de cinco mil milhões de dólares (cerca de 4,43 mil milhões de euros) assinado em 2018, que representa a resposta indiana às sanções impostas pelos EUA.

Hoje, o Presidente russo, Vladimir Putin, considerou a Índia como "uma grande potência" e "um aliado seguro", após chegar a Nova Deli para uma visita destinada a reforçar a cooperação energética e militar.

"Consideramos a Índia como uma grande potência, uma nação amiga e um aliado seguro", declarou Putin aos jornalistas, antes de seguir para um encontro com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

Naquela que é a segunda viagem ao estrangeiro desde o início da pandemia de covid-19, depois de um encontro, em junho, com o homólogo norte-americano, Joe Biden, em Genebra (Suíça), Putin pretende reforçar os laços militares e energéticos com a Índia, um aliado tradicional "cortejado" pelos Estados Unidos.

Os Estados Unidos, que estão a esforçar-se para conter a ascensão da China, estabeleceram (em 2007) o Diálogo de Segurança Quadrilateral, também conhecido como Quad (a sigla em inglês), um fórum estratégico informal com a Índia, Japão e Austrália que teve este ano a sua primeira cimeira, iniciativa que levantou preocupações em Pequim e Moscovo.

A Índia esteve próxima da então União Soviética durante a Guerra Fria e a relação, que perdura até hoje, é descrita por Deli como uma "parceria estratégica especial e privilegiada".

Para a agência noticiosa France-Presse (AFP), a visita de Putin é "notável", tendo em conta que o Presidente russo não participou em reuniões importantes, como as cimeiras do G20 (as maiores economias mundiais) e da COP26 (cimeira do clima da ONU), e também adiou uma planeada visita à China.

"É extremamente simbólico. Indica o quanto [Moscovo] eles não querem que os relacionamentos estagnem ou diminuam", disse Nandan Unnikrishnan, do grupo de estudos Observer Research Foundation, com sede em Nova Deli.

No entanto, destaca a AFP, Putin enfrenta uma dinâmica regional complexa, com tensões crescentes entre a Índia e a China, desde os confrontos mortais em 2020 entre as duas potências nucleares na linha de controlo na região dos Himalaias.

"A influência da Rússia na região é muito limitada, principalmente devido aos laços estreitos com a China", disse, por seu lado, Tatiana Belousova, professora de política internacional da Universidade OP Jindal, em Haryana (norte).

O Kremlin (Presidência russa) indicou que as negociações na Índia serão dominadas por questões de defesa e energia.

O chefe da gigante energética russa Rosneft, Igor Setchine, está entre os membros da delegação num momento em que estão a ser negociados "vários acordos energéticos importantes".

A Rússia é, há muito, um grande fornecedor de armas à Índia, tendo modernizado as forças armadas indianas.

Um dos últimos contratos assinados em 2018, ligados ao sistema de defesa aérea S-400, ascendeu a mais de 5.000 milhões de dólares (4.430 milhões de euros).

Modi argumentou então que as decisões foram tomadas para "fortalecer as relações com Moscovo a longo prazo".

A Índia acabou por ignorar a lei norte-americana de Combate aos Adversários da América através da Lei de Sanções (CAATSA), que sanciona a compra de armas russas por qualquer país ou entidade.

"Os nossos amigos indianos deixaram claro que são um país soberano e que decidirão a quem comprar armas e com quem fará parcerias", disse hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Na semana passada, o Departamento de Estado norte-americano indicou que ainda não tomou qualquer decisão a respeito da Índia.

A Índia tem estado a tentar diversificar as importações militares, mas analistas citados pela AFP acreditam que ainda não chegou o momento de Deli se afastar de Moscovo, sobretudo porque planeia aumentar a própria produção.

Antes da visita de Putin, os ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa dos dois países estiveram reunidos.

Vários acordos e contratos foram assinados, que vão desde armas de pequeno calibre à cooperação militar, indicou o ministro da Defesa indiano, Rajnath Singh, através da rede social Twitter.

Por seu lado, o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, sublinhou que os dois países "promovem posições idênticas ou semelhantes nas questões mais importantes para o mundo e para a segurança".

Leia Também: Putin considera Índia como "grande potência" e "aliado seguro" da Rússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório