Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

ONU suspende acreditação dos embaixadores de regimes afegão e birmanês

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou hoje uma resolução que adia indefinidamente o reconhecimento internacional dos regimes militares dos talibãs no Afeganistão e de Myanmar (ex-Birmânia), suspendendo a acreditação dos respetivos embaixadores nomeados para este fórum.

ONU suspende acreditação dos embaixadores de regimes afegão e birmanês
Notícias ao Minuto

18:23 - 06/12/21 por Lusa

Mundo ONU

A resolução, com base numa posição acordada na semana passada por um comité influente da ONU, composto pelos Estados Unidos, Rússia e China, foi aprovada por consenso e sem votação pelos cerca de 200 membros da ONU.

Na semana passada, o comité de credenciamento da ONU recomendou "esperar para decidir sobre as credenciais dos representantes de Myanmar e do Afeganistão" durante a atual sessão da Assembleia Geral, que termina em setembro de 2022, uma vez que, até lá, não está prevista qualquer reunião deste órgão, integrado por nove países e presidido pela Suécia.

Os pedidos de credenciamento das novas autoridades do Afeganistão e de Myanmar, concorrentes do antigo regime, estavam em discussão na ONU.

Em relação a Myanmar, o Ministério dos Negócios Estrangeiros birmanês propôs a 18 de agosto a nomeação de um ex-soldado, Aung Thurein.

A 21 de agosto, o embaixador birmanês Kyaw Moe Tun, escolhido pela ex-líder birmanesa Aung San Suu Kyi e ainda no cargo desde o golpe de 01 de fevereiro, pediu à ONU que o mantivesse no cargo.

Pelo Afeganistão, o embaixador Ghulam Isaczai, membro do gabinete do presidente destituído Ashraf Ghani, apresentou a 14 de setembro o pedido para permanecer na ONU.

A 20 de setembro, os talibãs, que tomaram o poder no Afeganistão em meados de agosto, pediu à organização a aceitação como novo embaixador de um ex-porta-voz do movimento, Suhail Shaheen.

Quinta-feira passada, os talibãs afegãos e a junta birmanesa criticaram fortemente o comité da ONU por não permitir que os seus embaixadores nomeados se sentassem na ONU.

A decisão "priva o povo afegão dos seus direitos legítimos", reagiu Suhail Shaheen, enquanto Zaw Min Tun, porta-voz da junta birmanesa, considerou que a escolha do comité "não reflete a situação local e a existência" de Myanmar.

Além dos dois processos, o comité confirmou quarta-feira os representantes diplomáticos de outros 191 países, com uma reserva: "os Estados Unidos não aderiram à aceitação das credenciais apresentadas pelo representante do Presidente venezuelano, Nicolas Maduro", especifica o relatório enviado à Assembleia Geral da ONU.

Leia Também: ONU pede libertação imediata da líder deposta Aung San Suu Kyi

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório