Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Presidente eleito do 3.º partido moçambicano defende fim da bipolarização

Lutero Simango, eleito hoje presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido moçambicano, defendeu hoje o fim da "bipolarização" política no país, assinalando que a sua organização é pela "inclusão".

Presidente eleito do 3.º partido moçambicano defende fim da bipolarização
Notícias ao Minuto

12:54 - 05/12/21 por Lusa

Mundo Lutero Simango

"O nosso movimento tem sido uma grande escola da democracia, somos os promotores da inclusão, somos um partido político que quebrou a bipolarização em Moçambique", afirmou Simango.

O novo presidente do MDM falava na sua primeira declaração após ser eleito na corrida à liderança do partido, com 87,9% de votos, durante o terceiro congresso da organização, que decorre na cidade da Beira, capital da província de Sofala, centro do país.

Ressalvando que hoje é dia de celebração e não de discursos, Lutero Simango observou que a reunião magna do MDM tem sido um exemplo de democracia, tendo permitido a liberdade de expressão e de voto nas eleições que decorreram hoje.

"Somos o primeiro partido [em Moçambique] que desenvolveu uma campanha interna para a presidência, com muita abertura e uma transparência total", enfatizou.

Desde a sua criação em 2009, o MDM tem assumido como uma das suas missões quebrar a bipolarização da vida política do país, que tem sido dominada pela Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder há mais de 46 anos, e pela Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

Silvério Ronguane, candidato derrotado nas eleições de hoje no MDM, considerou "maravilhoso o resultado" de 9,9% de votação que conseguiu, defendendo que tem legitimidade para ser oposição interna a Lutero Simango.

"Estou agora disponível para liderar a oposição dentro do partido MDM, na minha qualidade de segundo candidato mais votado, os ideais que nós estamos a defender continuam de pé", declarou.

Vasco Abrão, mandatário da candidatura do secretário-geral do partido, José Domingos, que desistiu da corrida, afirmou que os ideais que nortearam a criação da organização continuam e são um motivo de esperança para os moçambicanos.

"O povo moçambicano que ainda continua a confiar no partido e merece respeito e a melhor maneira de o respeitar é garantir que o MDM continue a ser aquele partido da esperança. Nada muda, continuamos a ser do MDM  e a trabalhar pelos ideais do MDM", declarou Abrão.

O terceiro congresso do terceiro maior partido moçambicano elegeu ainda 84 novos membros do Conselho Nacional, o órgão mais importante da organização no intervalo entre congressos.

Lutero Simango, engenheiro de formação, vai suceder ao seu irmão mais novo Daviz Simango, que morreu em fevereiro, e que foi o único presidente daquela força política desde a sua criação, em 2009.

O MDM governa o município da Beira, segunda maior cidade do país, e tem seis deputados na AR.

A Frelimo detém uma maioria qualificada de 184 dos 250 assentos e a RENAMO controla 60 lugares.

Leia Também: Grupo armado queima 15 casas numa aldeia em Cabo Delgado

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório