Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Bolsonaro reafirma que não haverá "passaporte de vacinação" no Brasil

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, reafirmou hoje que o seu Governo não pretende implementar o chamado "passaporte sanitário" no país para certificar pessoas vacinadas contra a covid-19.

Bolsonaro reafirma que não haverá "passaporte de vacinação" no Brasil

"A liberdade vem antes de tudo" e cada cidadão pode decidir se quer imunizar-se ou não, segundo o Presidente brasileiro.

A adoção do chamado "passaporte sanitário" tem sido defendida nos últimos dias por diversos setores da sociedade brasileira, principalmente depois de os primeiros casos da variante Ómicron do vírus SARS-Cov-2, causador da covid-19, terem sido confirmados no país.

Os três primeiros casos foram detetados na cidade de São Paulo, e outros dois foram confirmados hoje em Brasília, enquanto se analisam outras infeções de passageiros que também voltaram do continente africano.

Numa cerimónia realizada no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que a sociedade deve entender que "o vírus será para sempre" e que "as vacinas, algumas ainda experimentais, outras não, têm muitas incógnitas pela frente".

O dirigente citou a Organização Mundial da Saúde (OMS) e alertou que "quem está totalmente vacinado pode se contaminar e transmitir o vírus e também pode morrer", para justificar sua decisão de não impor a imunização obrigatória.

Bolsonaro, que se recusa a tomar a vacina e despreza seus efeitos desde o início da pandemia, reiterou que a liberdade dos cidadãos está acima de tudo.

"Não vamos fazer da vacina um burro de carga para interesses políticos", exortou o Presidente brasileiro, frisando que ninguém pode "ser ameaçado de perder direitos ou ser demitido por não se vacinar, porque a liberdade não tem preço."

Embora a pandemia venha perdendo espaço com o avanço do processo de vacinação, o Brasil continua sendo um dos países mais afetados pelo novo coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, com cerca de 615 mil mortes e 22 milhões de infeções. 

A covid-19 provocou pelo menos 5.223.072 mortes em todo o mundo, entre mais de 262,93 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul, tendo sido identificados, até ao momento, 19 casos em Portugal.

Leia Também: AO MINUTO: Mais 63 mil 'reforços' dados; Quinze portugueses 'repatriados'

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório