Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2022
Tempo
14º
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Cimeira pela Democracia para "isolar China" vai "fracassar"

O comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês em Macau considerou que a tentativa dos Estados Unidos de usar a Cimeira pela Democracia para "conter e isolar a China" vai terminar "num fracasso".

Cimeira pela Democracia para "isolar China" vai "fracassar"
Notícias ao Minuto

08:34 - 02/12/21 por Lusa

Mundo China

Num artigo enviado à Lusa, Liu Xianfa afirma que qualquer tentativa de "conter a China", jogando a "'carta de Taiwan'" ou de a ilha procurar a independência "confiando nos EUA" será "um beco sem saída".

A Cimeira pela Democracia vai acontecer em formato virtual, de 09 a 10 de dezembro, tendo Washington excluído a China e a Rússia, entre outros, e convidado 110 países e regiões, incluindo Taiwan, num gesto fortemente criticado por Pequim, que considera a ilha parte do seu território.

Taiwan, para onde o exército nacionalista chinês fugiu após a derrota contra as tropas comunistas na guerra civil, em 1949, tem um governo autónomo desde então, embora a China considere a ilha uma província e defenda a reunificação.

"Convidar a região de Taiwan para participar na Cimeira revela plenamente que os EUA utilizam a democracia como uma ferramenta para interferir nos assuntos internos e infringir a soberania de outros países para servir a sua própria agenda política", sublinha.

"A revitalização da nação chinesa e a reunificação do país são uma grande tendência, correspondendo ao desejo do povo", escreve.

Para o responsável, a Cimeira pela Democracia "é antidemocrática e pseudo democrática", uma vez que, de cerca de 200 países e regiões, apenas "uma parte da comunidade internacional" vai participar.

"O que o mundo de hoje precisa urgentemente não é uma chamada 'Cimeira pela Democracia', mas sim a união e a cooperação entre todos os países no sentido de responderem conjuntamente aos desafios globais, tais como a pandemia, mudanças climáticas, proliferação nuclear, terrorismo e segurança cibernética", salienta.

Mas os EUA, "uma grande potência que tem importantes responsabilidades para a comunidade internacional", continuam a "reviver a mentalidade da Guerra-Fria", dividindo o mundo em "campos democráticos" e "campos autoritários".

O diplomata chinês defende que "a comunidade internacional está convencida, em geral" que a "verdadeira intenção" dos EUA "é monopolizar o discurso democrático, promover o interesse geopolítico, incitar ao confronto e criar divisões".

Ao contrário, a China está comprometida em promover "a democratização das relações internacionais", ao contrário dos EUA que, nas últimas décadas, têm "aproveitado a 'democracia' como ferramenta para fazer avançar a sua estratégia global e geopolítica (...) causando instabilidade política e desastres humanitários em muitos países".

Liu Xianfa salienta que "a política democrática socialista com características chinesas é amplamente apoiada pelo povo chinês (...), é a democracia socialista mais ampla, mais genuína e mais eficaz", e rejeitou que a democracia seja "uma patente" de determinados países, lembrando que se trata de "um valor comum a toda a humanidade".

No sábado, os embaixadores da China e da Rússia em Washington, Qin Gang e Anatoly Antonov, respetivamente, tinham criticado a exclusão dos seus países da Cimeira pela Democracia, condenando a iniciativa própria de "uma mentalidade de Guerra Fria", desenhada por um país que "não é elegível sequer para o estatuto" de país democrático.

Leia Também: Covid-19: China deteta 73 casos nas últimas 24 horas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório