Meteorologia

  • 25 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 7º MÁX 15º

Edição

OMS pede calma e resposta racional e proporcional à variante Ómicron

A Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu hoje aos Estados-Membros calma e uma resposta racional e proporcional à variante Ómicron do coronavírus que causa a covid-19.

OMS pede calma e resposta racional e proporcional à variante Ómicron
Notícias ao Minuto

16:41 - 30/11/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"A resposta mundial deve ser calma, coordenada e coerente", defendeu o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, apelando a todos os Estados-Membros para que adotem "medidas racionais e proporcionais ao risco, conforme o regulamento sanitário internacional".

"Compreendo perfeitamente a preocupação de todos os países em proteger os seus cidadãos contra uma variante que ainda não compreendemos totalmente. Mas estou igualmente preocupado com o facto de vários Estados-membros estarem a introduzir medidas gerais e brutais que não são baseadas em provas nem eficazes por si mesmas e que apenas irão agravar as desigualdades", sustentou, numa sessão de informação sobre a Ómicron, na sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a organização que dirige "leva muito a sério" o aparecimento de uma nova estirpe do SARS-CoV-2, que, no entanto, não é uma total surpresa, uma vez que os vírus mudam constantemente.

"É isso o que os vírus fazem" para se adaptarem ao hospedeiro, assinalou.

"Quanto mais deixamos que a pandemia se perpetue, ao não impedirmos as desigualdades no acesso às vacinas ou não adotando medidas sociais e de saúde pública de maneira apropriada e consistente, mais daremos a este vírus a possibilidade de ter uma mutação que não podemos prever nem impedir", advertiu.

A variante Ómicron, comunicada há cerca de uma semana à OMS pela África do Sul, onde foi inicialmente detetada, já chegou a todos os continentes do mundo. Na segunda-feira, Portugal confirmou os primeiros 13 casos.

Apesar das incertezas quanto aos efeitos da nova variante na transmissibilidade da infeção, na severidade da doença e na imunidade, a OMS alertou na segunda-feira para o risco global "muito alto" da Ómicron, pedindo aos governos que acelerem a vacinação contra a covid-19, em particular das pessoas mais vulneráveis, e reforcem a vigilância.

Numa tentativa de conter a propagação da nova variante, diversos países fecharam fronteiras aos estrangeiros ou suspenderam e restringiram viagens internacionais, em particular para a África Austral, uma decisão condenada pela OMS e pelos países da região.

A covid-19 é uma doença respiratória pandémica causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A Ómicron, a quinta variante do SARS-CoV-2 classificada pela OMS como variante de preocupação, tem múltiplas mutações genéticas na proteína da espícula, "a chave" que permite ao vírus entrar nas células humanas. Algumas das mutações são consideradas preocupantes, uma vez que estão associadas a uma melhor transmissibilidade e à resistência a anticorpos neutralizantes.

Dados preliminares sugerem, segundo a OMS, "um risco acrescido de reinfeção" com a nova estirpe do SARS-CoV-2, por comparação com outras variantes de preocupação.

Leia Também: OMS apela a união mundial para melhor combater futuras pandemias

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório