Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Milhares saem à rua para acabar com a violência contra as mulheres

Várias cidades espanholas foram, Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, inundadas por manifestantes.

Em Madrid, Espanha, uma multidão de pessoas, na sua maioria mulheres, saíram à rua para pôr um ponto final na violência patriarcal e assinalar o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

Outras cidades espanholas, como Barcelona e Valência, também foram inundadas por cartazes roxos e cânticos pela igualdade entre géneros, que seguiam ao ritmo de tambores.

Segundo o governo regional, cerca de 1.200 pessoas marcharam em Madrid, com slogans como #HARTAS (fartas, em português) e FÚRIA FEMINISTA, enquanto outras relembraram as mulheres que perderam a vida por causa da violência machista e racista.

“Estou cansada da disparidade salarial, da violência contra as mulheres, de tudo, da diferença entre homens e mulheres, de todos os problemas que existem hoje em dia podem ser sentidos nesta sociedade onde não temos os mesmos direitos”, disse Carolina Sanchez, jovem de 21 anos e estudante de matemática, citada pela Reuters.

Na quinta-feira, todos os representantes políticos dos partidos com mais expressão no país renovaram um acordo no qual garantem o financiamento de programas de combate à violência contra as mulheres – todos, menos o partido de extrema-direta Vox.

“A violência contra as mulheres é um assunto do Estado, e a luta pela liberdade de todas as mulheres é um assunto do Estado”, sublinhou Irene Moreno, ministra para a Igualdade, depois da cerimónia.

Na semana passada, o governo alargou a sua definição de crimes de violência de género, incluindo, agora, os homicídios de mulheres cometidos por homens, independentemente da relação do assassino com a vítima – antes, os crimes só eram considerados como violência de género quando os intervenientes estavam numa relação.

O primeiro-ministro Pedro Sanchez elogiou a nova legislação, mas realçou que ainda há muito por fazer, já que “as mulheres sofrem todos os dias”.

Desde 2003 que o número de mulheres assassinadas em Espanha aumentou para 1.118. Em 2021, já foram assassinadas 37 mulheres, comparando com as 46 do ano passado.

Leia Também: Polícia lança gás lacrimogéneo a mulheres que marcham contra violência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório