Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Alemanha: Acordo de coligação para formar governo aprovado em "dez dias"

Olaf Scholz, vencedor das eleições gerais na Alemanha, avançou hoje que o acordo de coligação governamental, trabalhado nas últimas semanas pelos sociais-democratas (SPD), liberais (FDP) e os Verdes, deve ser aprovado pelos três partidos "nos próximos dez dias".

Alemanha: Acordo de coligação para formar governo aprovado em "dez dias"
Notícias ao Minuto

15:25 - 24/11/21 por Lusa

Mundo Alemanha

Oito semanas depois das eleições, realizadas em 26 de setembro, os três partidos com as cores verde, amarela e vermelha, característica que dá o nome à chamada coligação "semáforo", apresentaram aos jornalistas o acordo oficial de coligação, que deverá ainda ser votado pelas três forças políticas.

Numa conferência de imprensa, o ainda ministro das Finanças e vice-chanceler alemão manifestou a sua confiança na coligação "semáforo" para apontar o caminho certo da Alemanha.

Se o acordo for aprovado, Olaf Scholz, apontado como futuro chanceler alemão, já indicou algumas políticas que serão seguidas.

"Queremos ousar fazer mais progressos", revelou, apontando o aumento do salário mínimo para 12 euros por hora e o desenvolvimento de uma tecnologia de ponta feita na Alemanha.

Em relação à política externa, Scholz sublinhou que o novo Governo irá defender uma "Europa soberana", cultivando as relações com a França e os Estados Unidos.

Ao lado dos líderes das outras forças da coligação, Scholz alertou ainda para os números alarmantes do novo coronavírus na Alemanha, sublinhando que "cada dia que passa há um novo recorde".

E apelou para o cumprimento das medidas mais recentes impostas pelo executivo em funções e a uma maior adesão à vacinação.

Para Robert Habeck, co-líder de Os Verdes, o acordo de coligação alcançado é um documento de "coragem e confiança" em tempos de incerteza, que obrigou a negociações "exaustivas".

A expansão das energias renováveis, para que estas não continuem a ser "um complemento", mas sim de "interesse público" foi um dos pontos focados na conferência de imprensa.

Também o líder dos liberais, Christian Lindner, o terceiro a falar aos jornalistas, apelou à redução de contactos, "limitando-os ao necessário" para travar a nova vaga da pandemia de covid-19 que tem afetado duramente a Alemanha.

Além da pandemia, acrescentou o chefe do FDP, o novo executivo tem outros desafios que deve enfrentar, como a "descarbonização, a digitalização e o envelhecimento da sociedade".

"Scholz será um forte chanceler para a Alemanha", salientou Lindner.

O documento completo do acordo de coligação, com 177 páginas, foi distribuído aos jornalistas antes do início da conferência de imprensa, que durou cerca de uma hora.

Os líderes dos três partidos representados no novo "semáforo", uma formação governamental inédita ao nível federal, não quiseram, no entanto, comentar os nomes dos futuros responsáveis pelos vários ministérios.

Os Verdes, terceiro partido mais votado nas eleições alemães, deverá assumir cinco ministérios e o cargo de vice-chanceler, de acordo com a agência de notícias EFE. Já o FDP deverá ficar com quatro, entre eles o ministério das Finanças.

Os três partidos querem apresentar o social-democrata Olaf Scholz como chanceler a 6 de dezembro, dia de São Nicolau (Nikolaustag), celebrado por muitos na Alemanha.

O futuro executivo substituirá a "grande coligação", formada pelo SPD e pela União Social-democrata alemã (CDU), e Angela Merkel abandonará o poder após 16 anos a dirigir a Alemanha.

Leia Também: Alemanha: Acordo governativo é apresentado hoje, mas sem ministros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório