Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Suécia vai investigar casos de adoções internacionais desde 1950

O Governo sueco anunciou hoje a criação de uma comissão para investigar mais de 60.000 adoções internacionais realizadas desde 1950, depois de conhecer relatórios que revelam procedimentos "irregulares" e crianças sequestradas.

Suécia vai investigar casos de adoções internacionais desde 1950
Notícias ao Minuto

19:02 - 28/10/21 por Lusa

Mundo Adoções

O tema foi espoletado após vários relatos - nos últimos meses e em diversos países, incluindo a China e o Chile - que apontam para ilegalidades nos processos de adoção.

A ministra dos Assuntos Sociais sueca, Lena Hallengren, salientou que a investigação, conduzida por um professor de Direito Civil e com a duração de dois anos, terá um enfoque especial na China e no Chile.

A justiça chilena abriu uma investigação judicial em 2018 para analisar milhares de adoções irregulares por estrangeiros, incluindo cidadãos suecos, durante a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990).

"Queríamos esperar pelo que está a suceder no Chile, para evitar investigações paralelas", disse Hallengren, que destacou que o processo neste país sul-americano está a demorar mais do que o esperado.

O jornal diário Dagens Nyheter revelou esta semana que a ditadura de Pinochet usou as adoções como um instrumento para tentar pressionar o Governo sueco, que tinha sido especialmente crítico do regime chileno durante o mandato do ex-primeiro-ministro Olof Palme.

Cerca de duas mil crianças chilenas foram adotadas por suecos entre 1974 e 1990, no âmbito de uma campanha para tentar melhorar as relações entre os dois países e na qual o Centro Sueco de Adoção e grupos suecos de extrema-direita com ele relacionados tiveram um papel relevante.

De acordo com um relatório de investigadores chilenos citados pelo Dagens Nyheter -- que tiveram acesso a documentos desclassificados da ditadura de Pinochet - as adoções na Suécia ganharam impulso após uma visita a Estocolmo da então ministra da Justiça chilena, Mónica Madariaga, em setembro dos anos 1970.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório